Vaga de Relações Públicas para Obama

Esqueça o ferramental, pense na essência da Comunicação Digital
13 de junho de 2011
Atendimento padronizado X Atendimento personalizado: qual a medida certa?
15 de junho de 2011

Vaga de Relações Públicas para Obama

Os temas protocolares estão mais presentes em nosso cotidiano do que podemos imaginar. Desde que nascemos, nos ritos de passagem como formaturas, colações de grau, casamentos, datas comemorativas e acreditem, até mesmo em ocasiões que deveriam ser isentas de formalidades como encontros casuais, baladas e barzinhos com amigos (abordaremos estes últimos ritos protocolares para os próximos capítulos).

Os protocolos quando corretamente aplicados, por naturalidade e função de uma boa equipe acabam, muitas vezes passando despercebidos, exceto por toda pompa e representatividade da ocasião, como o casamento dos noivos Willian e Kate, Duques de Cambridge. O mesmo não ocorre quando existe a quebra de protocolo, as gafes dão muito mais IBOPE do que os acertos.

Destaque para última gafe do Presidente Americano, no mês passado, como modelo de quebra de protocolo evidenciado em mídia global. Obama serve como exemplo de que nem todos precisam nascer sabendo regras e protocolos, mas que, no mínimo, o Presidente dos EUA, homem mais poderoso do mundo, teria que ter um bom Relações Públicas, para saber antecipadamente que a saudação inserida no início do discurso à rainha da Inglaterra “to Her Majesty the Queen”, é o sinal oficial da realeza para que a banda comece a tocar o hino britânico.

Para quem não viu o vídeo divulgado na internet, aproveite para compreender o tamanho da gafe:

O desastre foi agravado quando o Presidente continuou a proferir seu discurso achando que a música era uma simples trilha sonora e não o hino do país. Resultado: ao final do discurso ergueu a taça para o brinde e ficou literalmente no vácuo! O que já era de se esperar num país que é conhecido por cumprir todos os protocolos, como a famosa pontualidade britânica.

Assista também ao rápido vídeo após o jantar, durante encontro com o líder do Partido Liberal Democrata britânico, Nick Clegg, quando Obama assume a gafe cometida em não ter reconhecido o hino britânico:

E vocês, acham que o erro foi de Obama? Em minha opinião, acredito que em partes. Mesmo tendo sido professor de Harvard, Obama não precisa saber ritos e protocolos de todas as partes do mundo que visita, mas tem o dever de ser bem assessorado. O erro em partes se deve também por não ter reconhecido o hino da Inglaterra e por não ter escolhido uma assessoria competente. Como se sabe, também não é o Presidente que escreve todos os seus discursos, nem muito menos define em que momento/ocasião poderá propor um brinde.

A vaga de RP se refere não somente a este último ato na Inglaterra, mas há uma série de episódios pelos quais ele já passou. Para quem tem curiosidade, vale a pena pesquisar no Google “gafes do Obama” para ver alguns outros vídeos. E aí quem se canditará a vaga?


Aproveite para conhecer e participar das nossas promoções de aniversário!

Redação TMPRP
Redação TMPRP
Acompanhe:
Vaga de Relações Públicas para Obama

Comentários

1928