Memória do relacionamento deve ser indicador de “Marca Útil”

Quebrando preconceitos sobre os Relações Públicas
22 de março de 2012
Primeira entrevista do Papo Empreendedor – Eilor Marigo
26 de março de 2012

Memória do relacionamento deve ser indicador de “Marca Útil”

 

Estive no evento “Marca Útil”, organizado pela RMA Comunicação para apresentar um conceito de atitude e valor de marca e uma plataforma de gerenciamento da presença digital, e este post trata do tema e da interrelação com memória organizacional.

 

O fato é que a marca das organizações e de seus produtos está nas redes sociais digitais independente do esforço ou do interesse dos estrategistas. Antes, o local da veiculação do anúncio, o patrocínio do evento, a colagem do outdoor, a ação promocional em determinado ponto-de-venda, a postagem de folheto para certo mailing, o envio de press-release eram escolhas feitas inteiramente pelos gestores de comunicação, marketing e identidade. Mas no cenário digital, o poder sobre a publicação e a repercussão de conteúdos sobre marcas depende do interesse das pessoas em interação. Há esta sensação de “vida própria” das marcas, sendo que elas recebem elogios e movimentos detratores – que afetam sua reputação e credibilidade – a depender do relacionamento estabelecido com as pessoas. Esta é uma lógica que o profissional de Relações Públicas compreende como ninguém, afinal todo seu escopo de pensamento e ação está na relevância de cuidar de todos os públicos (os “stakeholders” ou “moveholders”).

Palestrantes no evento se revezaram para deixar claro os pilares estratégicos de uma “marca útil”, com a seguinte lista: 1) presta atendimento rápido; 2) estabelece diálogo e interatividade; 3) faz prestação de algum serviço relevante; 4) promove educação do mercado; e 5) entrega informação relevante. As “marcas úteis” são colaborativas, criativas, relacionais, interessantes, relevantes, responsáveis, transparentes, sustentáveis, inovadoras e apoiadoras. O raciocínio tem inspiração nos resultados de pesquisa aplicada junto a mais de 1.200 respondentes (veja abaixo). Todo o processo estaria embasado na proposta do “branded content”, com o uso do poder das histórias para falar sobre a marca, sua missão, visão e valores e sobre as pessoas conectadas com este entendimento do mundo.

 

Resultados de pesquisa sobre Marca Útil (RMA Comunicação)
[slideshare id=11891509&doc=pesquisamarcautil2-120306134304-phpapp02]

 

Partindo do conceito que “memória organizacional é uma seleção subjetiva daquilo que é o passado, com presença afirmada no presente e influência no futuro da empresa ou instituição”, fica claro o raciocínio que conduz à compreensão da pertinência desta área como parte indissociável da comunicação nas organizações, sistemas abertos cada vez mais complexos. E ainda, da memória como contribuinte efetiva do enfoque das interações informativas e relacionais, sobremaneira na valoração de ativos intangíveis e nos postulados e atributos de marcas potencializados a partir de um sentido histórico lastreador. A percepção e a narrativa consequente vinda de públicos diversos sobre organizações estão impregnadas de sensações dadas por um contexto econômico e social, e certamente podem ser fortalecidas mediante a reconstituição histórica destes agentes.

Então, uma “marca útil” também deve levar em conta a memória de seus relacionamentos como aval para confiança, ainda mais em tempos de disponibilidade farta e veloz de material digital, quando mecanismos de busca podem trazer à tona, a cada devolução de dicas para termos pesquisados, algum assunto que já estaria levado ao esquecimento (positivos ou negativos). Serviços online como o Reclame Aqui também são hábeis em resgatar os comportamentos empresariais ao longo do tempo, uma memória arquivada absolutamente impactante nas decisões de simpatia e de compra.

Worcman defende um modelo de memória na empresa como agente catalisador no apoio a negócios, na coesão de grupo e como elemento de responsabilidade social e histórica. São experiências acumuladas e transformadas em conhecimento. Afinal,

“a história de uma empresa não deve ser pensada apenas como resgate do passado, mas como marco referencial a partir do qual as pessoas redescobrem valores e experiências, reforçam vínculos presentes, criam empatia com a trajetória da organização”.

 

Nassar, depois de pesquisas para seu Doutorado, pode atestar que

“as relações públicas e a comunicação organizacional brasileiras elegeram os programas de história empresarial como depositários dos atributos construídos ao longo do tempo e indispensáveis para os trabalhos voltados para os relacionamentos públicos e para os desenhos de imagens e reputações”.

 

Pra mim, marcas só se tornam “úteis” no imaginário coletivo se também consideram evocar sua conduta passada, sua consistência e seus avanços no tempo. Numa época de abundância informativa e de velocidade anestesiante, não há espaço para uma existência destituída desta ancoragem. Quem diria, a tradição (algo tido como conservador, ultrapassado, obsoleto pelo ponto-de-vista do progresso contínuo capitalista) pode ter importante parcela na adoração sobre marcas e suas organizações.

Rodrigo Cogo
Rodrigo Cogo
Profissional de Relações Públicas, em atuação na Aberje, mestre em Ciências da Comunicação e especialista em Gestão Estratégica da Comunicação Organizacional, ambos pela Escola de Comunicações e Artes da USP.
Acompanhe:
Memória do relacionamento deve ser indicador de “Marca Útil”

Comentários

3619