E quando a voz falhar?

III Prêmio Universitário Aberje
12 de março de 2013
Uma Relações Públicas no TEDxTombo de 2012
14 de março de 2013

E quando a voz falhar?

 

Quem nunca antes de uma apresentação importante, reunião ou evento temeu em “perder a voz”? Pode ser que você ainda não tenha pensado nisso, mas para profissionais que utilizam a voz como ferramenta principal de seu trabalho, o perigo e o cuidado são constantes. Sem os cuidados básicos a gafe pode ser até em rede nacional, como aconteceu com o repórter que perdeu a voz ao vivo no jornal da cultura. Veja:

É comum não lembrarmos, mas a voz é produzida por musculaturas e assim como em uma atividade física, esta musculatura precisa ter uma série de cuidados. Sinais como a rouquidão e voz abafada são indícios de que você já está chegando ao seu limite vocal. Fique atento!

Para quem depende dela profissionalmente, como mestres de cerimônias, a falta deste instrumento precioso pode atrapalhar e muito, então vamos às dicas práticas.

Inimigos da voz:

  • Além do cigarro e do álcool que são inimigos não só da voz, mas de todo o nosso organismo, os alimentos gordurosos como chocolate, leite e refrigerante, que fazem parte do nosso dia a dia, aumentam a secreção e causam o famoso pigarro, nada legal para comer ou beber antes de um evento.

Os cuidados são importantes e simples:

  • Dormir bem, tentar não forçar a voz às vésperas do evento, falando pouco e quando necessário falar, procure manter um timbre que não ultrapasse o seu limite, falar pausadamente pode ajudar muito! Também se proteja do frio e do vento constante.
  • Atividades físicas, beber muita água (natural ou levemente fresca) e praticar exercícios vocais antes e depois de um evento também são fundamentais.

Abaixo um breve roteiro de AQUECIMENTO VOCAL que utilizo muito:

1. Alongamento dos braços para cima, para frente e para trás;
2. Rotação de ombros para frente e para trás;
3. Movimento de cabeça (“sim, “não” e “talvez”);
4. Rotação de cabeça;
5. Abertura e fechamento de boca;
6. Vibração de língua ou lábios em monotom (liso) e escalas (melodias) ascendentes;
7. Mastigação associada ao humming;
8. Emissão do /m/ associados às vogais (mmmmuá, mmmmé, mmmmê, mmmmui, mmmuó, mmmmô, mmmmmu);
9. Ler trava-línguas* em diferentes velocidades, se atendo para a respiração e articulação
10. Outra dica legal para conseguir falar aquelas palavras difíceis sem travar a língua é colocar entre os dentes (como se estivesse mordendo levemente), uma caneta ou lápis e com ele ler o texto, será difícil, mas depois que retirar a caneta ou lápis você perceberá grande diferença ao ler o mesmo texto!

DESAQUECIMENTO VOCAL

1. Bocejar e se espreguiçar
2. Rotação de cabeça com emissão de a, ô, u;
3. Vibração de língua ou lábios em monotom (liso) e escalas (melodias) descendentes.

*Alguns trava línguas para ajudar:

“A gata amarrada arranha a aranha”
“O mameluco melancólico meditava e a megera megalocéfala, macabra e maquiavélica, mastigava mostarda na maloca miasmática.”
“O rato, ratazanas e o ratinho, roeram as ricas roupas e rasgaram rútilas rendas da rainha Urraca de Rombarral.”
“Se 76 serras serram 66 cerejeiras, 766 serras serrarão 676 cerejeiras.”
“O xaveco do Xavier chegou com o xavalar cheio de peixes: Xeréus, Xareletes, Xiros, Xixarros e Xundaraias.”
“O grude da gruta gruda a grua da gringa que gritava e, gritando, grimpava a grade da grota grandiosa.”

Vale lembrar que são dicas básicas de quem sempre utiliza a voz como instrumento principal de trabalho, sintomas mais graves e acompanhamentos devem ser feitos por profissionais fonoaudiólogos e otorrinolaringologistas. Cuidados simples e monitoramento de profissionais da área podem nos assegurar a qualidade e saúde de nossas cordas vocais sem riscos.

Fonte: Conselho Federal de Fonoaudiologia – http://www.fonoaudiologia.org.br/ e Jornal da Cultura.

Fabio Polisel
Fabio Polisel
Relações Públicas pela Universidade Metodista e Pós-Graduado em Marketing pela FGV. Após um período de 5 anos na Gerência de Comunicação da Metodista, migrei para área pública em 2009. É na Prefeitura de São Bernardo do Campo onde continuo aprendendo sobre o universo público e em como implementar as relações públicas nesta área. Sou empreendedor na área de eventos e também vivencio as funções de cerimonialista e mestre de cerimônias.
Acompanhe:
E quando a voz falhar?

Comentários

6301