As primeiras grandes corporações modernas

[especial cannes] Como as RPs chegaram lá
20 de junho de 2013
[Especial Cannes] Um Case nasce de uma ideia
27 de junho de 2013

As primeiras grandes corporações modernas

Livro: Os Magnatas (The Tycoons)

As grandes corporações modernas nasceram após a Guerra de Secessão americana, especialmente concentradas nas mãos de alguns capitalistas que levaram ao desenvolvimento de diversas áreas da comunicação, incluindo as relações públicas.

Durante um período de cerca de 50 anos, em pleno século XIX, os Estados Unidos conseguiram mudar a cara da indústria mundial e se estabeleceram como a maior potência da época. Muitos desconhecem a história, mas isso só foi possível devido a um efervescente ecossistema empreendedor, em que inovações puxaram mais e mais inovações.

Nesse período, as ferrovias cortaram a América do Norte de costa a costa, criando condições de atingir novos mercados. As ferrovias impulsionaram a indústria do aço demandando mais trilhos e carregaram os primeiros barris de petróleo de John D. Rockefeller, que por sua vez iluminaram o país com o querosene e, mais tarde, alimentaram os primeiros motores a gasolina, que equiparam os carros de Henry Ford. A iluminação elétrica de Thomas Edison substituiu a iluminação a querosene e os geradores de energia de Nikola Tesla descentralizaram a manufatura. O aço estrutural de Andrew Carnegie deu vida a prédios e arranha-céus, e J. P. Morgan definiu as bases das finanças corporativas. Então chegou a era do consumo de massa e das grandes marcas.

Com tantos mercados novos e em proporções nunca antes vistas, surge a necessidade de saber comunicar para uma grande variedade de públicos. É no meio disso tudo que vemos, também, surgir as primeiras práticas de relações públicas, incluindo relacionamento com a imprensa e comunicação de crise. Não por acaso, Ivy Lee é considerado o fundador as relações públicas ao cuidar da reputação de John D. Rockefeller Jr. e sua família, donos da maior companhia de petróleo de todos os tempos, a Standard Oil.

A segunda metade do século XIX foi realmente transformadora não apenas para os Estados Unidos, mas para o mundo todo. O espírito empreendedor da época criou diversos mercados e trouxe junto o desenvolvimento de diversas áreas do conhecimento, incluindo a comunicação.

Se você se interessou por essa história toda, eu recomendo fortemente a leitura do livro “Os Magnatas”. A base do mundo como conhecemos hoje está descrita na história dos grandes empreendedores americanos.

As primeiras grandes corporações modernas

Comentários

6741