Marca-país Alemanha: não foi marketing, foi relações públicas

Como fiz a cobertura da Copa para os perfis de mídias sociais da Garoto
18 de julho de 2014
O mercado de RP nas cidades do interior
22 de julho de 2014

Marca-país Alemanha: não foi marketing, foi relações públicas

A Copa do Mundo 2014 acabou dia 13 de julho, domingo. Mas ela tem deixado lições e mais lições, inclusive de Relações Públicas. Nesse mesmo dia, Daniel Rímoli, Gerente de Plataformas Digital da Edelman Significa, publicou no adNews o ótimo artigo “O que as marcas têm a aprender com a Alemanha nesta Copa”, falando sobre o impecável trabalho de Relações Públicas desenvolvido pela e para a seleção da Alemanha.

Alemanha usou RP para trabalhar a imagem distorcida do país.

Coincidentemente, poucos minutos antes de tomar conhecimento desse texto, tinha acabado de assistir no canal SporTV o comentarista Marcelo Barreto falando do “inteligente trabalho de marketing” que a Alemanha havia feito, e me revirei no sofá pelo (comum) desconhecimento sobre a diferença entre “marketing” e “relações públicas”. Fiz um comentário sobre isso no Facebook, na fanpage da Pró.RP, quando compartilhei o artigo do Daniel, e vi que teve bastante repercussão. Então, resolvi repetir aqui o que havia escrito lá.

“Não, Marcelo Barreto, não sociedade, não FIFA, não Brasil, não mundo! [não foi um trabalho de marketing] Foi um inteligentíssimo trabalho de RELAÇÕES PÚBLICAS (subárea de “relações com a comunidade”) que foi muito bem planejado (com a vantagem de haver verba abundante disponível), e que foi belamente desenvolvido e executado. Trabalho esse que não VENDEU nada, que é o que o marketing faz [direcionado para o mercado de consumo], mas estabeleceu CONFIANÇA, RESPEITO, ADMIRAÇÃO pelo país Alemanha e sua seleção de futebol, gerando, assim, um CLIMA POSITIVO e de BOA VONTADE da população brasileira em relação ao país e aos jogadores. ‪#‎orgulhodeserRP

O trabalho realizado foi nitidamente de valorização da imagem e reputação do país Alemanha por meio da atuação visível da seleção alemã de futebol. A intenção não foi, em momento algum, “comprar a vitória” ou a Copa. Mas, sim, desfazer uma imagem antiga e arraigada de que os alemães são frios, sem emoções e individualistas. Um excelente trabalho para agregar valor à “marca” Alemanha, foi feito com o comitê da seleção alemã e com os próprios jogadores da seleção como “agentes”, aproveitando o ensejo da Copa 2014, para um país que vem enfrentando uma fase difícil política e economicamente e está precisando de aliados nas duas frentes.

Foi, sim, um excelente trabalho de Relações Públicas com fins NÃO MARKETEIROS. Mas saibam os incautos que RP pode trabalhar a favor do e com objetivos de marketing. Mas essa é outra história que vou deixar para outro artigo.

Ana Manssour
Ana Manssour
Relações Públicas é uma missão de vida, é ser capaz de fazer pessoas, empresas e sociedades mais equilibradas, mais justas e mais felizes.” Graduada em Relações Públicas pela PUC-RS, conta com aperfeiçoamento em Comunicação Empresarial pela ESPM-RS e mestrado acadêmico em Administração com ênfase em Organizações pela UFRGS. Com mais de 35 anos de carreira profissional em vários segmentos de mercado, também foi professora em cursos de graduação e pós-graduação no Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais. Idealizou, fundou e foi sócia por sete anos do portal feminino Plena Mulher. Mantém há mais de 10 anos a Pró.RP Relacionamentos Sustentáveis que, desde 2015, está direcionada ao trabalho do Verbo Mulher, uma aceleradora do processo de inclusão feminina e equidade de gêneros nas empresas e nos negócios.
Acompanhe:
Marca-país Alemanha: não foi marketing, foi relações públicas

Comentários

8158