DIY ou faça você mesmo

[livro] Ensaios sobre Comunicação com empregados
14 de setembro de 2015
Nem BI, nem big data: o futuro pertence ao Design Thinking.
21 de setembro de 2015

DIY ou faça você mesmo

Frequentemente, eu “bato na tecla” de que conteúdo nas mídias sociais deve ser prestador de serviço, na linha de dicas, adição de valor para o usuário, para o cotidiano de quem segue/acompanha determinada companhia. A sigla DIY, em inglês, significa do it yourself, ou, em bom português, faça você mesmo.

Exemplos disso, vemos aos montes nas mídias sociais, como esse que mostra formas de se usar pashiminas.

As organizações também entenderam que servir ao usuário com conteúdo informativo e prestador de serviço pode ser o caminho da visibilidade e do engajamento.

Uma das marcas que mais se destacam na prestação de serviço com humor é Oreo:

Diversas marcas sugerem pequenas receitas, combinações, chamam a atenção. Outro exemplo é a marca Philadelphia:

Na linha do “timelapse”, a marca também sugere combinações e sugestões de uso do produto.

O modelo proposto pela cosméticos Vichy é similar: é o “faça você mesmo” incluindo-se o portfólio de produtos da marca:

Vichy Maquiagem Dermatológica

E, para finalizar, deixo vocês com o meu perfil favorito de DYI, o Receitas em 15 segundos. Acho o perfil simplesmente genial…

Em suma, os vídeos curtos e informativos e o formato “faça você mesmo” permitem:

  • Engajamento
  • Despertam atenção
  • Geram marcações dos usuários para sua rede de contatos
  • Prestam serviços

E você? Já aprendeu alguma coisa em um DIY da internet?

Carol Terra
Carol Terra
Carolina Terra é doutora e mestre em Interfaces Sociais da Comunicação, ambas pela Escola de Comunicações e Artes da USP. É pesquisadora, consultora e professora de Mídias Sociais e Comunicação Organizacional, atuando como docente na Fecap, FAAP, Belas Artes e ECA-USP. É autora do livro Blogs Corporativos (Difusão Editora) e editora do blog RPalavreando.
Acompanhe:
DIY ou faça você mesmo

Comentários

9381