Uma reflexão sobre a soberba e o coitadismo das Relações Públicas

101 anos de RP e o que podemos esperar das marcas?
2 de dezembro de 2015
[e-book gratuito] O que será tendência em 2016 na área de mídias sociais
17 de dezembro de 2015

Uma reflexão sobre a soberba e o coitadismo das Relações Públicas

 

Há um erro muito grande na nossa área que oscila entre a soberba (“podemos reverter uma crise como a de Mariana”) e a crise do patinho feio (“ninguém nos reconhece, não tem um RP lá na frente atuando”).

Hoje, navegando, cheguei na notícia a seguir. Fiquei pensando: RP poderia ter impacto na tragédia de Mariana se soubesse o que cobrar, se, entre outras coisas, tivesse conhecimento para garantir junto a engenheiros e técnicos que os planos de emergência e mapas de risco ambiental estavam cumpridos e monitorados.

Será que estavam? Saberíamos se este é um dos caminhos antes da tragédia ter acontecido? Aprendemos em algum lugar a cobrar essas questões? E daqui para a frente, o que vamos cobrar? Como e de quem? Porque todo mundo continua falando de Mariana, mas aparentemente nada mudou para evitar futuras tragédias…

crise RP Mariana

Noticia extraída do site Notícias de Mineração.

 

A culpa é de quem?

Não, não adianta cobrar o governo. O governo não existe. Existem pessoas. Eu acredito que pessoas podem ser orientadas e essa orientação pode sim vir da mentalidade RP. Tanto em empresas, quanto no governo. Em qualquer lugar do mundo.

Mas para isso precisamos entender de pessoas e abrir uma comunicação clara, transparente e direta com elas. Coisa que é bem difícil, a julgar pelas nossas próprias vidas. A julgar pela minha. Eu tenho uma enorme dificuldade de estabelecer comunicação clara e direta com algumas pessoas, por incompatibilidade, medo ou mimimi mesmo. E levei tempo para descobrir que não sou uma pessoa pior por isso.

Não somos os super-heróis que chegam no meio da crise e salvam o mundo. Não somos e esse personagem só existirá nos quadrinhos. Somos um profissional que pode (e deve) trabalhar na prevenção, não por acaso o planejamento de comunicação é  uma das bases acadêmicas mais importantes de RP.

Somos conectores e resolvemos problemas. E precisamos de ajuda para resolver os nossos também. Por isso funcionamos melhor de forma coletiva.

Cadê o propósito das Samarcos do mundo? Qual RP poderá ajudar?

Não somos salvadores da pátria (literalmente), trabalhamos com uma área que lida diariamente com improbabilidades (comunicação) e, aqui vem o erro, dificilmente trabalhamos a partir de estratégias de negócios. É preciso alinhar propósito com impactos do cumprimento e do não cumprimento deste propósito. Temos que nos aproximar ainda mais da administração enquanto disciplina.

Podemos e devemos aprender a gerenciar crises, mas sem a pretensão de “mudar” uma imagem destruída perante a opinião pública. Crise é lidar com a consequência de um problema (em diversos casos, problemas gerados pela falta de planejamento).

É importante pensarmos em pequenas atitudes diárias para mudar o todo. Em microrrevoluções. Nossa profissão tem um potencial acima da média para elaborar estratégias que respeitem e repercutam em todas as pessoas ligadas a uma organização.

Essa é a mentalidade que fez surgir os super heróis: um projeto de mentes criativas que conseguiram olhar o todo de cima e desenvolver uma criatura que resolve os problemas.

Taí: talvez o super herói seja a mentalidade RP. Nós somos apenas os redatores, criativos e fazedores organizando os caminhos para ela seguir evoluindo na sua história. Mas podemos, e devemos, atuar para fazer um futuro diferente. Mesmo que seja chamando a atenção para um fato que não impacta em nada num futuro melhor, como o artigo que mencionei lá no início.

O que você está fazendo como RP para que Mariana não se repita?

Ariane Feijó
Ariane Feijó
Trabalha com Relações Públicas e Marketing Digital há mais de 15 anos tendo passado por grandes multinacionais como Dell (Brasil), KPMG e Lloyds TSB (Inglaterra) e trabalhado com países como Estados Unidos, Alemanha, França, Espanha, Rússia e Índia. É sócia do coletivo Todo Mundo Precisa de um RP e idealizadora do Inbound PR, metodologia que desenvolveu para combinar inbound marketing com RP e aplica em empresas de diversos portes.
Acompanhe:
Uma reflexão sobre a soberba e o coitadismo das Relações Públicas

Comentários

9564