Empreendedorismo – Como diriam os mineiros: ONCOTÔ, PRONCOVÔ, CUM’QUIVÔ?

Uber de médicos?
28 de janeiro de 2016
Como evitar a ressaca (moral) na 4ª feira de cinzas
5 de fevereiro de 2016

Empreendedorismo – Como diriam os mineiros: ONCOTÔ, PRONCOVÔ, CUM’QUIVÔ?

 

Responda às perguntas a seguir:

  1. Você resolveu dar um chute no balde, pediu demissão e vai começar seu próprio negócio?
  2. Foi demitido e decidiu aproveitar a oportunidade para não ter mais patrão?
  3. Adora fazer artesanato e achou bom unir o útil ao agradável e transformar o hobby em negócio?
  4. Teve uma ideia fantástica de um produto ou serviço que ainda não tinha visto no mercado e resolveu você mesmo fazer e oferecer?
  5. Desenvolveu uma nova metodologia ou processo para administrar / fazer / embalar / baratear / divulgar / precificar / vender / cobrar o seu produto ou serviço?
  6. Criou uma maneira diferente de fidelizar o(s) seu(s) público(s)?

Se você respondeu SIM a uma ou mais das três primeiras perguntas, mas respondeu NÃO às três últimas, parabéns, você é um Empresário!

Se você respondeu SIM a uma ou mais das três últimas questões, em conjunto ou não com uma ou mais das três primeiras, parabéns, você é um Empreendedor!

A febre dos eventos, cursos, webnários, podcasts, livros, e-books para empreendedores não para de elevar a temperatura, e se vê de tudo por aí, dos excelentes aos péssimos, passando pelos mais-ou-menos sem diferencial algum – afinal, os péssimos se diferenciam justamente por serem ruins! O que tem me deixado de orelha em pé é a confusão, ou falta de orientação, a respeito do que é empreendedorismo, uma vez que isso acaba induzindo ao erro de que qualquer coisa que você faça, desde que tenha seu próprio CNPJ, torna-lhe um empreendedor.

O que acontece é que dizer que é “autônomo” ou “é dono de loja”, ou “faço bolos para vender”, ou “produzo artesanato”, ou “sou consultor”, ou simplesmente “trabalho em casa” não tem glamour e muitas vezes é visto pela família, amigos e pessoas do seu círculo social como algo menor, sem importância ou simplesmente um quebra-galho de alguém que está desempregado. Mas a verdade é que essas pessoas desconhecem o valor do seu trabalho, como empresário que, sim, você é, uma vez que se dedica de corpo, alma e tesão para ele.

Só para fundamentar o esclarecimento, vamos à conceituação oficial de empreendedorismo feita por Robert D. Hisrich em seu livro “Empreendedorismo”:

Empreendedorismo é o processo de criar algo diferente e com valor, dedicando tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes e recebendo as consequentes recompensas da satisfação econômica e pessoal.

Para empreender é preciso inovar.

Portanto, e partindo daí, empreendedor é aquele que inova, que busca novas alternativas, soluções diferentes para fazer seu negócio se desenvolver e crescer. Isso não desvaloriza o empresário, pelo contrário. Na verdade, estimula-o a ser, além de empresário, empreendedor. Assim, ele poderá aumentar muito as chances de manter seu negócio com sucesso, faturamento e lucros garantidos, a despeito de crises econômicas externas como a que o Brasil e boa parte do mundo estão passando agora.

Outro ponto importante é que quem trabalha em empresa de terceiros como funcionário, pode e deve ter espírito empreendedor! Afinal, na medida em que inova, apresentando novas ideias de economia, de exploração de nichos de mercado, de melhorias de processos, aprimoramentos no produto, etc, ele colabora com a empresa e com o empresário, aumentando muito seu próprio valor como profissional e, portanto, sua empregabilidade e estabilidade. É o profissional que é reconhecido como intra-empreendedor, ou seja, aquele que tem espírito empreendedor e aplica essa competência na empresa em que trabalha.

Resumo da ópera: Pode ser que você seja empresário. Pode ser que você seja empreendedor. Pode ser que você seja empresário e empreendedor. O importante é que você tenha conhecimento dos conceitos, das características de cada um desses termos ou “títulos” e saiba identificar suas próprias características. Ou seja, não por acaso, o autoconhecimento é essencial para o seu sucesso, para que você alcance o máximo do seu potencial realizador.

É preciso que você saiba quem é, se gosta de quem é. E, se pretende ser diferente, como quer ser? Onde estou, para onde quero ir e o que preciso fazer para chegar lá? Ou, como diriam os mineiros: oncotô, proncovô, cum’quivô?

Algumas fontes para você se informar mais e melhor:
ExameA diferença entre ser empreendedor e ser empresário
Papo UniversitárioEmpreendedorismo. O que é? Como empreender?
Portal EducaçãoEmpreendedorismo: o processo de criar algo diferente e com valor
Portal MEIO que é empreendedorismo

Ana Manssour
Ana Manssour
Relações Públicas é uma missão de vida, é ser capaz de fazer pessoas, empresas e sociedades mais equilibradas, mais justas e mais felizes.” Graduada em Relações Públicas pela PUC-RS, conta com aperfeiçoamento em Comunicação Empresarial pela ESPM-RS e mestrado acadêmico em Administração com ênfase em Organizações pela UFRGS. Com mais de 35 anos de carreira profissional em vários segmentos de mercado, também foi professora em cursos de graduação e pós-graduação no Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais. Idealizou, fundou e foi sócia por sete anos do portal feminino Plena Mulher. Mantém há mais de 10 anos a Pró.RP Relacionamentos Sustentáveis que, desde 2015, está direcionada ao trabalho do Verbo Mulher, uma aceleradora do processo de inclusão feminina e equidade de gêneros nas empresas e nos negócios.
Acompanhe:
Empreendedorismo – Como diriam os mineiros: ONCOTÔ, PRONCOVÔ, CUM’QUIVÔ?

Comentários

9692