Empreender em RP: é para você?

Uma profissional do século XX na comunicação 3.0
21 de outubro de 2016
Aprendendo com os erros a ser um empreendedor
25 de outubro de 2016

Empreender em RP: é para você?

“Empreender exige paredes do estômago mais grossas”, dizem os consultores de negócios. A frase faz todo o sentido: não é nada fácil criar negócios, especialmente para profissionais de uma área que não são treinados nem de longe para ter um negócio, mas sim para representar pessoas e organizações. Empreender em RP: será que isso é pra você?

Embora pouco se fale sobre empreendedorismo em RP, não são poucos os comunicadores que se aventuram a criar agências, assessorias, consultorias… Muitos aprendem com os erros e seguem empreendendo, outros acabam voltando para o mercado – o que traz também os seus desafios. E que desafios!

Leia também: O lado B do empreededorismo

Se trabalhar é preciso, quanto mais pudermos aprender com exemplos de quem está trilhando o caminho do empreendedorismo em RP com sucesso, melhor. Por sucesso, não espere RPs ricos e famosos. Tem muito erro e muita falha antes de chegarmos no sucesso, seja lá o que sucesso signifique para você.

E hoje a história que queremos contar é da Dani Carlini e da Bruna Teixeira:

 

Sobre empreender e ser RP – Por Dani Carlini

dani-carlini-cor

Dani Carlini, RP e Empreendedora

“Sabe aquela visão de crianças vendendo limonada na frente de casa? Comecei assim, mas de uma forma diferente. Nos mudamos do Rio para o interior de SP e com uns 10 ou 11 anos, eu reuni revistas em quadrinhos já lidas, comprei umas balas no bar da esquina e fiz a limonada (limão colhido em casa), mas não vendi.
Montei a barraquinha para meu primo fazer as vezes de vendedor (ele praticamente gritava “olha a limonada com limão do pé da tia Wanda”). Minha irmã caçula ficava também na barraquinha, meio que ‘organizando’ as coisas. Os dois eram 4 e 5 anos mais novos que eu – ou seja, eram uns ‘fofos’ e isso atraiu a clientela. Acho que ali eu já mostrava meus traços de RP, de extrair o melhor dos outros em busca de resultado.
Aos 14 e com o fato do meu pai não me deixar arrumar um emprego, fui fazer pão italiano e roscas para vender. Vendia em pedaços na escola, no recreio e comecei a vender eles inteiros para os pais dos meus amigos. E, claro, cobrava para fazer as tarefas domésticas que não envolviam meu quarto – como passar roupa, por exemplo. Também fazia festas em casa, que foram crescendo ao ponto de eu ter que locar a sede do meu curso de inglês.
No ensino médio, fui presidente da Quero Mais Alimentos – no programa mini empresa da Junior Achievement. Eu tinha recém me mudado para Porto Alegre (eu me mudei muito, na vida) e fazer parte do programa foi uma maneira de me enturmar. Deu tão certo, que fiquei com a presidência =) e acabei ganhando o prêmio de melhor vendedora do colégio.
Hoje, enxergo totalmente que muitas das ações que fiz quando mais jovem tinham essa pegada de negócios e, também, de RP: toda essa questão de relacionamento, planejamento, com ideia do impacto da imagem, articulação, visão estratégica…
Para a minha vida atual é super importante, porque meus negócios são na área da comunicação e eu sei que ser RP me dá tanto a facilidade de adaptação quando atuo em projetos distintos – que muitas vezes são ligados à assuntos que eu desconheço e tenho que aprender – quanto à visão geral da comunicação, fazendo a integração das áreas – inclusive de outras fora da comunicação – trazer os resultados ideais para os clientes.”

Sobre empreender e ser RP – Por Bruna Teixeira

Bruna Teixeira, empreendedora e RP

Bruna Teixeira, empreendedora e RP

“Sempre fui muito inquieta e gostei de ter diferentes experiências. Desde a graduação em RP, pela ULBRA, vivenciei rotinas de assessorias de imprensa, agência de comunicação digital, cerimonial e protocolo, planejamento, produção e projetos de responsabilidade social e sustentabilidade.

As Relações Públicas, por si só, já nos oferecem um universo de possibilidades, mas eu queria ampliar ainda mais o meu. Foi no empreendedorismo, então, que encontrei muito mais do que uma forma de trabalhar como RP, mas um estilo de vida.

Empreender e ser RP não são caminhos fáceis, afinal, temos as atividades de Relações Públicas para desempenhar para os clientes e não podemos nos descuidar da gestão da nossa empresa. Mas, sem dúvida, é muito gratificante poder realizar trabalhos que realmente acredite, tornando as relações públicas ainda mais reconhecidas.

Precisamos ter uma visão holística dos negócios dos nossos clientes, fator que o empreendedorismo vivido na pele contribui muito. Hoje finalizo um MBA em Marketing por entender o quanto essa pode ser uma aliada das RPs, além de tornar a nossa visão sobre os negócios ainda mais estratégica.

Também sigo aprendendo e vivendo o empreendedorismo como Pirata (facilitadora) do Estaleiro Liberdade Porto Alegre, uma escola de empreendedorismo através do autoconhecimento.”

Se você quiser aprender ao vivo com a Dani e a Bruna, elas vão dar um workshop sobre Empreendedorismo e Inovação pela ABRP-RS/SC neste sábado, 29/10. Conheça os detalhes aqui.

 

Empreender em RP: é para você?

Comentários

11226