Entrevista com Mark Schaefer: o conteúdo decodificado por uma autoridade no assunto

Conteúdo não é suficiente: como uma marca se destaca no meio de tanta informação?
7 de outubro de 2016
A origem e importância das personas
10 de outubro de 2016

Entrevista com Mark Schaefer: o conteúdo decodificado por uma autoridade no assunto

*Por Luana Leão

Estamos passando por uma revolução na forma como as marcas se comunicam, constroem sua audiência e consolidam-se, especialmente no meio digital. O conteúdo virou estrela e vem recebendo cada vez mais espaço no budget de empresas que entendem a sua importância na construção de relacionamento e reputação.

Conversei pessoalmente com uma das maiores autoridades norte-americanas no assunto conteúdo, Mark Schaefer. Mark é Professor na Rutgers University, consultor renomado em marketing de conteúdo e autor do bestseller The Content Code. Ele falou sobre os rumos do conteúdo e da comunicação e como contextualiza as relações públicas nesse meio.

Blog RP: Sua base de ensino é em jornalismo e comportamento do consumidor. De que forma você acredita que essas duas áreas podem trabalhar juntas quando falamos de estratégia de Marketing Digital?

Schaefer: Eu comecei como bacharel em Jornalismo e acho que essa foi uma ótima preparação, pois aprendi como criar conteúdo de forma bastante eficiente. E o conhecimento de comportamento do consumidor, a parte psicológica, é importante para ajudar a entender não só sobre as pessoas, mas também sobre o seus contextos.

Expandindo o comportamento para as empresas, em todas as organizações existem políticas, burocracias, coisas boas e coisas ruins. Nós precisamos entender que essa é a psicologia da empresa. Precisamos estar a par desse contexto para ter sucesso com o seu conteúdo. Acho que é essa a forma como essas duas áreas trabalham juntas.

Quer definir contextos e trabalhar melhor o conteúdo?
Baixe agora o canvas da comunicação!

Blog RP: Que tendências em conteúdo e marketing você enxerga surgirem no próximo ano?

Schaefer: A mais óbvia é entender como se destacar no meio de tanta informação que existe na nossa volta. Entender isso guia tudo: a nossa estratégia, o nosso orçamento, nossa distribuição, é o que dita o quanto teremos que anunciar, é o que guiará as habilidades das pessoas que precisam trabalhar conosco. 

Outra tendência que eu vejo causando bastante impacto é o live video, e colocaria o Snapchat nessa categoria também. Não faz parte da minha vida, porque pede uma personalidade diferente, uma habilidade diferente. Eu gosto de escrever, porque posso parar, posso mudar e posso pensar sobre isso por mais um dia, isso se encaixa na minha personalidade.

A personalidade que se dá muito bem em vídeo é um outro tipo, você precisa ser quase um repórter, ou um apresentador de entretenimento. E não é todo mundo que consegue ter sucesso nesse ambiente. Então eu acho isso bastante interessante.

Penso que a terceira tendência seja a ideia que as pessoas não querem mais ver os nossos conteúdos no nosso site, e nem mesmo em um aplicativo. Elas querem ver isso em seus feeds, então o Facebook não quer mais divulgar links, ele quer divulgar conteúdo.

A boa notícia é que nós temos a possibilidade de ter mais exposição se o nosso conteúdo estiver no Facebook. Mas a má notícia é que, dessa forma, não há link para os nossos demais canais. Então, meu olhar sobre isso é que nós devemos nos submeter ao Facebook. Se ele quer o nosso conteúdo, nós daremos o nosso conteúdo à eles, pois não venceremos essa batalha.

Precisamos encontrar novas estratégias para vencer e isso ressalta, por exemplo, a importância do branding. Se você é conhecido, se você é amado, as pessoas voltarão para o seu site através do conteúdo, mesmo sem um link nas redes sociais para chegar até ele. 

Blog RP: Você utiliza alguma estratégia de RP ao trabalhar com os seus clientes?

Schaefer: Estratégia de RP é algo bastante amplo. Uma curta história: em 2012, escrevi um livro chamado The return on influence (O retorno sobre influência, tradução nossa). Por três meses ele foi o bestseller em negócios nos EUA, e por causa dele apareci em um programa de televisão norte-americano.

Não foi por causa do meu marketing ou do meu branding, foi por causa do meu conteúdo. A apresentadora do programa de televisão segurou meu livro, cheio de notas; ela leu o livro inteiro! E disse “Eu não conseguia parar de ler! Normalmente recebo muitos livros mas não continuo a leitura porque podem ser um pouco tediosos quando são sobre negócios, mas eu amo esse livro e não conseguia parar de ler!”.

Esse comentário aconteceu em rede nacional. Isso é RP. Acho que a ideia de marketing de influência é a história das Relações Públicas. Para mim tudo funciona junto: RP, conteúdo, branding – temos que trabalha-los em conjunto. 

Blog RP: Se você pudesse dar três dicas práticas para aqueles que desejam trabalhar com marketing de conteúdo, quais seriam?

Schaefer: O mais importante é olhar para o nosso marketing, para as indústrias e para os nossos clientes. É necessário entender qual tipo de conteúdo -as pessoas precisam e em qual quantidade. Penso que um erro que estamos cometendo hoje é produzir muito conteúdo sem pensar no que a nossa audiência precisa. 

Leia também: como comunicar e vender para personas?

A segunda coisa que precisamos observar é qual é a nossa voz, qual a nossa personalidade, e para isso nós precisamos realmente olhar para a personalidade da nossa empresa. Se a empresa for muito conservadora, nós teremos um conteúdo bastante conservador. Precisamos entender que a cultura da empresa é o que vai ditar o tipo de conteúdo que produziremos. 

O terceiro ponto que eu olharia é a minha recomendação para todas as empresas: escolher um formato de “conteúdo rico”. Por conteúdo rico eu entendo a escrita, o audio ou o vídeo. Escolha um e faça-o bem feito. Um exemplo meu: alguns anos atrás escrevi um blogpost que se tornou muito popular e recebi inúmeras ligações de grandes jornais que gostariam de me entrevistar sobre esse artigo.

Agora, se eu tivesse apenas colocado essas ideias no Twitter, teria eu recebido alguma ligação? Não.

Se eu tivesse apenas colocado essas ideias no LinkedIn, teria eu recebido alguma ligação? Não.

Precisa ser escrita, audio ou vídeo. São esses os três principais tipos de conteúdo que te darão a oportunidade de vasta exposição, para um grande alcance e para construir voz e autoridade de verdade. Precisamos olhar para o que a nossa empresa faria bem, o que os nossos clientes gostariam mais, escolher e começar com um desses três tipos de conteúdo rico. 

Nos conte o que você achou sobre essa conversa nos comentários e siga acompanhando o blog.

Luana Leão
Luana Leão
Relações Púbicas | Foodie | Dog person | Schooling Life
Acompanhe:
Entrevista com Mark Schaefer: o conteúdo decodificado por uma autoridade no assunto

Comentários

11122