Relações Públicas Internacionais: Atualizando a Teoria Específica/Genérica

Segunda edição do Enegrecendo a Comunicação discutirá racismo estrutural
7 de novembro de 2016
Conferência do GP 2016: discutindo o futuro da Comunição
24 de novembro de 2016

Relações Públicas Internacionais: Atualizando a Teoria Específica/Genérica

*Tradução: Luana Leão

Você pode conferir esse artigo em inglês e praticar suas reading skills, aqui.

Mais Fatores Para Considerar na Prática em Novos Mercados

Esse artigo é o primeiro de uma série, adaptado para o livro Pitch, Tweet or Engage on the Street: How to Practice Global Public Relations and Strategic Communication (Pitch, Tweet ou Engaje pelas Ruas: Como praticar Relações Públicas e Comunicação Estratégica em âmbito Global – tradução nossa), de Kara Alaimo.

De acordo com a teoria mais conhecida de Relações Públicas Internacionais – Verčič, Grunig, e a teoria genérica/específica de Grunig (1996) – ao praticar relações públicas em um novo país ou cultura, os praticantes deveriam considerar cinco dimensões nas quais nações diferem: seus sistemas político-econômicos, culturas, extensão do ativismo, níveis de desenvolvimento e sistemas de mídia.

Em meu livro, publicado em agosto, adiciono duas novas dimensões à essa teoria: expectativas sociais e influenciadores locais.

Como parte da minha pesquisa para Pitch, Tweet ou Engage on The Street: How To Practice Global Public Relations and Strategic Communication, conduzi entrevistas com 74 praticantes de relações públicas globais, de 31 países.

Perguntei a eles como aconselham organizações globais a adaptar suas estratégias de relações públicas para  diferentes culturas e quais fatores eles precisavam levar em consideração ao implementar estratégias de relações públicas globais nesses países.

Os resultados indicaram que, além da teoria de Verčič e Grunig, e das cinco dimensões de Grunig,  praticantes de relações públicas precisavam levar em consideração outros dois fatores ao adaptar estratégias de relações públicas globais para novos mercados:

1. Expectativas Sociais:

As expectativas dos povos locais em relação às organizações diferenciam-se dramaticamente em países e culturas pelo mundo.

Por exemplo, Serge Giacomo, Diretor de Comunicação e Relações Institucionais da General Electric na América Latina, explicou que, em comunidades na América Latina, os cidadãos esperam que as corporações assumam responsabilidades que não têm relação alguma com os seus negócios, como a construção de rodovias e escolas.

Em contraste, em países como Estados Unidos, essas atividades são única e exclusivamente de responsabilidade da província do governo. Profissionais que atuam na África e na Ásia também indicam que as comunidades locais têm expectativas altas quanto a responsabilidade social corporativa.

2. Influenciadores Locais:

Outro importante fator que os praticantes de relações públicas precisam entender é quem é influente em cada sociedade.

Por exemplo, nos Estados Unidos, muito do conteúdo retweetado e que vira um topic trend  no Twitter é gerado pela mídia tradicional, como The New York Times, CNN e ESPN (Asur, Yu, & Huberman, 2011).

Em contraste, Chen Liang, Executivo de Conta da agência de relações públicas globais, Ruder Finn, conta que, na China, muitas pessoas não enxergam a imprensa, censurada pelo governo, como uma fonte confiável de notícias.

Assim, voltam-se para figuras públicas, como atores, jornalistas independentes, professores e escritores, que constroem reputação por compartilharem informação confiável nas redes sociais.

Influenciadores locais podem ser críticos para o sucesso de campanhas de relações públicas em diferentes mercados.

Praticantes da atividade de RP devem considerar esses fatores antes de desenvolverem estratégias de relações públicas para novas comunidades, pois dessa forma compreenderão como serão julgados localmente e quais stakeholders serão imprescindíveis para o sucesso de suas campanhas.

Kara Alaimo é consultora em global PR, com PhD em Ciências Políticas, professora de RP na The Lawrence Herbert School of Communications, na Hofstra University, em Long Island, EUA. Já atuou na gestão da comunicação das Nações Unidas e no gabinete do Presidente Barak Obama. Acompanhe a Kara no Twitter: @karaalaimo.

Referências utilizadas no artigo:

Asur, S., Yu, L., & Huberman, B. A. (2011, August 21). What trends in Chinese social media. Paper presented at the SNAKDD Workship, San Francisco, California.

Verčič, D., Grunig, L. A., & Grunig, J. E. (1996). Global and specific principles of public relations: Evidence from Slovenia. In H. M. Culbertson & N. Chen (Eds.), International public relations: A comparative analysis (pp. 31-65). Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

Luana Leão
Luana Leão
Relações Púbicas | Foodie | Dog person | Schooling Life
Acompanhe:
Relações Públicas Internacionais: Atualizando a Teoria Específica/Genérica

Comentários

11319