Porque eu não teria feito a postagem das Lojas Marisa

A queda dos paradigmas do gerenciamento de crises – Caso United – Parte 3 – Final
12 de maio de 2017
Gestão de crises de imagem: prepare-se para superá-la!
17 de maio de 2017

Porque eu não teria feito a postagem das Lojas Marisa

5 razões para se pesar os prós e contras ao adotar o contexto como conteúdo

Estamos acompanhando os depoimentos decorrentes da Operação Lava-Jato, conduzidos pela Polícia Federal há meses!

Nos últimos dias, o ex-presidente Lula foi quem depôs e em suas respostas em relação ao polêmico tríplex da cidade litorânea paulista do Guarujá, afirmou que quem conduziu todo o caso foi sua falecida esposa, Marisa Letícia.

A varejista Lojas Marisa se valeu do boca a boca gerado por essa situação e fez o seguinte post:

“Se sua mãe ficar sem presente, a culpa não é da Marisa”.

Houve quem amasse a postagem da loja e a parabenizasse. Houve quem detestasse e dissesse que nunca mais compraria na loja. Os comentários do post dizem por si só.

Eu, como RP e profissional/consultora/acadêmica/pesquisadora da área de mídias sociais, não recomendaria a produção de um conteúdo do gênero, pois:

  1. quando o assunto é política, religião, cor, credo, crença, raça…é muito perigoso uma empresa posicionar-se, pois pode agradar a uns e ofender a outros. Será que a loja não pensou que haveria clientes seus que apoiam o ex-presidente e se ofenderiam com o conteúdo?
  2. Não vale usar o humor a qualquer custo. Aqui ficou claro o caso de “perde-se o amigo, mas não perde a piada”.
  3. A referida Marisa (ainda que de forma velada) é uma pessoa já falecida e sem condições de se defender. Mereceria respeito nesse sentido.
  4. A postagem foi para o dia das mães. A referida pessoa em questão era mãe e seus filhos e netos vão passar a data sem ela. Mais uma falta de respeito da loja.
  5. Fora as questões emocionais que envolvem o post, não faltou por parte da varejista um planejamento de prós e contras ao se postar algo do tipo? Quer fazer e “peitar” as críticas e os “haters” que vão surgir? Faça, mas planeje o que vai dizer a respeito. Planeje como rebater as críticas que surgirem. Planeje como responder a cada negativa que receber. Planeje. Avalie. Respire e, se ainda assim valer a pena e trouxer BENEFÍCIOS para a marca, vá em frente.

Recentemente, escrevi um artigo (Até onde vai o conteúdo de oportunidade? Como o contexto vem ocupando espaço nas mídias sociais e gerando polêmicas) para o Congresso Abrapcorp, que acontece agora entre os dias 15 e 19 de Maio de 2017, em Belo Horizonte e falei exatamente sobre a falta de senso crítico ao se usar memes, fatos cotidianos e o contexto como conteúdo por parte das marcas. Para quem estiver por lá, apresento no dia 18 de Maio, às 14h30.

Vale lembrar que este post não é uma defesa ao depoimento do ex-presidente da República, é apenas uma análise didática de um conteúdo que gerou problemas para uma marca e que provavelmente vai repercutir em suas vendas.

Usar o que está acontecendo como pauta para o conteúdo da marca em mídias sociais é válido, é oportuno e é bacana, mas NEM TUDO o que rola pode ser aproveitado. Faça essa análise.

Carol Terra
Carol Terra
Carolina Terra é doutora e mestre em Interfaces Sociais da Comunicação, ambas pela Escola de Comunicações e Artes da USP. É pesquisadora, consultora e professora de Mídias Sociais e Comunicação Organizacional, atuando como docente na Fecap, FAAP, Belas Artes e ECA-USP. É autora do livro Blogs Corporativos (Difusão Editora) e editora do blog RPalavreando.
Acompanhe:
Porque eu não teria feito a postagem das Lojas Marisa

Comentários

11800