A Queda dos Paradigmas do Gerenciamento de Crises

Uma ode ao voluntariado em eventos
1 de maio de 2017
3 coisas sobre o Festival de Cannes Lions que você ainda não sabe – e vai adorar descobrir!
3 de maio de 2017

A Queda dos Paradigmas do Gerenciamento de Crises

Todos os dias acompanhamos um festival de crises nas redes sociais, de todo tipo, de toda natureza.  Muitas incríveis, surpreendentes, outras absurdas e até reveladoras do desconhecimento de seus agentes no cuidado e tratamento dos assuntos nas redes sociais.

O despreparo de empresas, de profissionais e pessoas é ainda mais marcante no cuidado prévio, de antecipação do risco de crises nas redes sociais.

Esse foi o caso do episódio do avião da United Airlines, que surpreendeu por não terem a visão e a competência de antecipar e evitar que a crise acontecesse.

Foi inspirado nesse episódio que resolvi fazer a análise dos paradigmas tradicionais do gerenciamento de crises e sua aplicação no ambiente das redes sociais.

O que você pensa sobre as técnicas tradicionais de gerenciamento de crises? Você acha que elas se aplicam às redes sociais?

É possível continuar praticando procedimentos do modo como eles foram criados, no século passado?

Estas são algumas das questões analisadas na série “a queda dos paradigmas do gerenciamento de crises”, criada a partir de 6 procedimentos evidenciados pelo caso da United .

No vídeo abaixo, apresento a análise dos três primeiros procedimentos: o papel do comitê de crise, o tempo de controle e retorno diante de uma crise e o foco no treinamento. A análise recai sobre a aplicação desses procedimentos no contexto das redes sociais e o quanto eles estão descolados da realidade atual.

Gostaria de saber sua opinião, assista ao vídeo, faça a sua avaliação e deixe seu comentário para ampliarmos o entendimento e aperfeiçoarmos nosso conhecimento sobre essa realidade.

Flávio Schmidt
Flávio Schmidt
Sou Relações Públicas por formação, trabalho e paixão. Esses três aspectos estão sempre presentes em todas as coisas que faço. A formação me dá uma condição diferenciada sempre que preciso fundamentar qualquer posição diante de situações pessoais e de trabalho. O trabalho contínuo me deu muita oportunidade de testar e checar os seus fundamentos e a experiência que pude desenvolver ao longo desses tantos anos de atividades. Mas a paixão por Relações Públicas é que me fez mover e intensificar tudo ao meu redor.
Acompanhe:
A Queda dos Paradigmas do Gerenciamento de Crises

Comentários

11701