Sobre como ganhar um Leão de PR em Cannes

Conheça os 3 fatores que impulsionam a criatividade em RP
8 de maio de 2017
Relações Públicas: o profissional da empatia
11 de maio de 2017

Sobre como ganhar um Leão de PR em Cannes

A vontade de fazer mais pelas Relações Públicas está nos levando cada vez mais longe. O dia 08 de maio de 2017 é um marco para a TMPRP, que alcançou novas proporções na sua missão de acelerar o mercado de RP no Brasil – e, agora, no mundo! A parceria com o Festival Internacional de Criatividade Cannes Lions para a produção de um webinar voltado para RPs foi anunciada no dia 28 de abril e ocorreu em 08/05, para falar sobre a presença das Relações Públicas no maior e mais antigo festival de criatividade do mundo.

Foram mais de 110 inscrições para acompanhar o webinar com Fiorenza Plínio, Head de Desenvolvimento de Premiações do Festival de Cannes Lions, e Kiki Moretti, CEO do Grupo In Press e jurada da categoria de PR de Cannes em 2015. A conversa foi mediada por Ariane Feijó, co-fundadora da TMPRP, que tem experiência na cobertura do festival por quatro anos consecutivos.

Fiorenza deu início à conversa falando sobre a coragem que envolve o trabalho criativo de PR (ou RP) em um festival que, por muitos anos, foi dominado por publicitários. Segundo ela, o trabalho criativo de PR carrega a responsabilidade de mostrar as coisas sob uma nova perspectiva, de reflexão, através de trabalhos relevantes que ressonam pelo mundo e provocam uma resposta emocional nas pessoas sobre as estratégias das marcas.

A escolha dos cases que participam do festival é construída em cima de uma premissa central: criatividade que impulsiona resultados de negócio. Essa premissa é seguida com o intuito de consagrar o pensamento de que soluções criativas entregam resultados melhores de forma mais eficiente, quebrando a ideia de que a criatividade de campanhas servem apenas para que agências possam conquistar seu próximo prêmio. O livro The Case for Creativity, de James Hurman, indicado por Fiorenza durante o webinar, fala sobre a relação entre criatividade e resultados empresariais e pode ser interessante para quem deseja aprofundar seu conhecimento sobre o assunto.

Fiorenza contou que a categoria de PR passou por mudanças significativas desde a última edição. Segundo ela, a categoria em si era considerada confusa para os jurados, com critérios ultrapassados que não representavam o potencial e a realidade esperada do mercado. Este ano, a definição dos PR Lions foi desenhada de forma colaborativa com os líderes globais da indústria de relações públicas e explica o tipo de trabalho criativo de PR e como ele é adequado para a categoria, e destaca simultaneamente o que diferencia a disciplina de relações públicas da de publicidade.

A categoria de PR recebe, agora, uma definição mais verdadeira e compreensível.

 

A nova definição dos PR Lions

 

Os Leões de PR celebram o trabalho criativo que constrói confiança e cultiva relacionamentos de sucesso com terceiros, utilizando principalmente as táticas de mídia espontânea ou canais para influenciar o diálogo público, com o intuito de mudar percepções e comportamentos de formas que protegem e realçam a reputação e o negócio de uma organização ou marca com seus públicos-alvo. 

A categoria de PR é dividida em subcategorias para segmentação dos cases inscritos. São elas:

  • Sectors
  • Practices & Specialisms
  • Digital & Social
  • Data & Measurement
  • Geographies
  • Campaign
  • PR Reports
  • Healthcare & Wellbeing
  • Crises Communication & Issue Management
  • Public Affairs
  • Luxury Goods & Services

Em qual delas o seu case se encaixa? 😉

A categoria se preparou para dar um suporte maior e, também, educar os participantes este ano. Serviços de apoio aos inscritos que estarão participando do evento pela primeira vez e agendamento de conversa com um PR Lion expert vão estar disponíveis pré, durante e após o festival.

 

Como ganhar um Leão de PR em Cannes? First steps ahead.

 

Fiorenza diz que a iniciativa de dar um apoio maior aos participantes do evento faz parte do ciclo de preparo dos inscritos para ganhar um Leão de PR. Com a evolução da categoria e a análise dos vencedores durante as mais de seis décadas de festival, foi possível desenhar um ciclo bastante claro do caminho da vitória que o case precisa percorrer (e que envolve muito amadurecimento). Ele é composto por cinco fases:

Fonte: Fiorenza Plínio

DECIDIR: implica a análise e a escolha de uma ideia que tenha relevância (para a sociedade, para o negócio, para a marca), e o que se espera alcançar através dela.

APLICAR: a fase de colocar a ideia em prática – onde o “como”, ou a forma de colocar a ideia em prática, é essencial e implicará nos resultados.

COMPLETAR: quais os resultados obtidos a partir da ideia colocada em prática?

AJUSTAR: as expectativas foram alcançadas? O que deu e o que não deu certo?

APRIMORAR: existem formas mais ágeis ou eficazes de colocar a ideia em prática que implicariam em melhores resultados?

De acordo com Fiorenza, esse é um ciclo que precisa ser constantemente percorrido pelos projetos inscritos. Ela conta, ainda, que estudos feitos com os ganhadores dos Leões comprovam que dificilmente você ganhará um Leão na sua primeira participação no festival: as estatísticas mostram que um case estará suficientemente maduro e preparado para ser premiado somente na sua terceira participação no evento.

Ou seja: em média, são três anos de preparo, desenvolvimento, ajustes e melhorias para que um case seja merecedor de um prêmio no maior festival de criatividade do mundo.

Kiki Moretti, contou que, quando foi jurada da categoria de PR em Cannes, recebeu mais de 500 cases para avaliar para o festival. De 500, a lista diminuiu para 150 em dois meses de análise. A partir da experiência de avaliar os cases com maior potencial para concorrer na premiação, ela lista alguns pontos essenciais para que um case se destaque em meio a tantos trabalhos incríveis:

1. Pesquisa – e, aqui, falamos de dados: Kiki ressalta que os dados são a confirmação da intuição que temos sobre uma realidade. “São os dados que darão base e informação para a criação da estratégia certeira”, conta ela.

2. Estratégia: a ideia precisa fazer sentido para as pessoas. Não precisa ser para um grande número de pessoas, mas precisa gerar impacto em um grupo. Precisa ser relevante para a sociedade, para o negócio, para a marca.

3. Criatividade que gera resultados: a criatividade precisa envolver, também, a melhoria de processos que impactam na forma como a ideia é colocada em prática e nos resultados obtidos. Criatividade nem sempre envolve complexidade, mas quase sempre envolve simplicidade e empatia na forma de propor soluções.

4. Vídeo é o elemento chave do seu case: “Se você não consegue contar a história em um vídeo, você não é merecedor de um Leão em Cannes”, conta Kiki. Ela afirma que o vídeo é o que encanta o júri e que faz com que o case se torne relevante o suficiente para ser, de fato, avaliado em profundidade.

Fonte: Fiorenza Plínio

Um ponto importante ressaltado tanto por Fiorenza quanto por Kiki durante a conversa: ser criativo não precisa envolver grandes orçamentos – e nem o nome de marcas e empresas conhecidas. Inovador e disruptivo não caminham necessariamente ao lado de um orçamento alto para levar o seu case para competir entre os melhores do mundo. 🙂

“Uma coisa que aprendi participando do festival: entrar para o shortlist de Cannes é grandioso, pois você estará entre os cases mais relevantes, criativos e modernos do mundo.”, conta Kiki.

Será que o seu case have what it takes para entrar para o shortlist de PR?

Confira as datas-chave para a categoria de PR no Cannes Lions deste ano:

Fonte: Fiorenza Plínio

Siga acompanhando a cobertura de Cannes aqui no blog, pois o festival está só começando. 🙂

Leia também: Os 3 fatores que impulsionam a criatividade em RP

ODIG
ODIG
Acompanhe:

Comentários