Nossas empresas não são os nossos sobrenomes

Está difícil para todo mundo
22 de setembro de 2020
Nem todo RP terá um negócio, mas todo RP precisa saber de negócios
29 de setembro de 2020

Nossas empresas não são os nossos sobrenomes

Um dia desses eu estava conversando com uma colega de empresa sobre trabalho remoto, carreira e mais um monte de coisas, até que ela disse algo que me deixou com a orelha em pé: “Pedro, nossas empresas são o nosso sobrenome!” Fazia tempo que uma frase não me fazia pensar tanto!

Faz quinze anos que eu trabalho no mercado de comunicação, desde meu primeiro ano de faculdade. Este tema já havia sido falado antes, mas nunca tinha me feito pensar o quanto ele afeta nossas vidas, nossas carreiras e nossos planos futuros. E é isso que tem me feito pensar muito.

 

História e contexto

Se puxarmos o contexto global, as grandes corporações que existem ainda hoje – Coca-Cola, Ford, GE, Procter & Gamble, Volkswagen, Hering – todas surgiram por volta dos anos 1900 (um pouco antes ou um pouco depois). Até essa época o que definia um cidadão (ou o dava destaque, relevância e reputação) era sua profissão: advogados, médicos, engenheiros, professores, policiais, etc.

Com o surgimento e desenvolvimento das grandes corporações e conforme elas passaram, com o tempo, a investir em propaganda, em construção de marca (branding) e a se tornarem extremamente valiosas ao passo que o capitalismo ganhava corpo ao redor do mundo, as empresas onde trabalhamos também passaram a nos dar destaque, relevância e reputação.

Elas tornaram-se praticamente nossos sobrenomes, nossos cartões de visita que abrem muitas portas: Maria, da Coca-Cola; Renato, do Google; Clara, da Unilever… ter uma empresa colada no seu nome ainda conta muito.

Os dias de hoje

E o que me fez pensar foi isso: trabalhar em uma grande empresa, hoje, conta muito sim – e eu sinto isso no dia a dia, desde quando entrei na Uber até chegar onde estou. Conta muito, mas não nos define como pessoas e profissionais. 

E a gente precisa falar disso, pensar nisso, ficar bem com isso e questionar isso, especialmente quem já tem um pouco de tempo no mercado, por dois motivos:

  1. Uma empresa não atesta a capacidade de todos os seus profissionais. Grandes empresas são almejadas, mas estar em uma delas não significa, necessariamente, que um departamento dela é melhor do que departamentos similares de outras empresas ou consultorias/agências. Seu nome significa apenas que ela, empresa, é muito boa no seu “core business”, mas não diz que seus processos e cultura sejam as melhores e mais avançadas do mercado – Temos vários exemplos de grandes empresas de renome com culturas altamente tóxicas.
  2. Não devemos pautar nossas vidas em trabalhar em uma grande empresa. Todos podemos desempenhar um excelente trabalho em qualquer empresa, independente do seu porte. Se o que te move é um propósito, é realizar um bom trabalho, um sonho de vida ou qualquer outra coisa, você pode encontrar felicidade em vários lugares. Agora, se o teu objetivo de vida é acumular riqueza (e sim, eu sei que dinheiro ajuda muito, tô só propondo a reflexão :-P), aí sim uma grande empresa, com mais musculatura financeira, pode facilitar esse processo.

 

O futuro desse papo sobre “empresas e sobrenomes”

A grande maior parte dos jovens com os quais converso querem trabalhar em empresas famosas, de renome, como se isso fosse algum tipo de status. E pode até ser, eu sei, mas não deveria. 

Entretanto eu também observo que, dentre os mais jovens (e me corrijam se eu estiver errado) isso tem se tornado cada vez menos relevante. A busca por significado, pertencimento, propósito tem ganhado muito mais força entre as gerações mais novas, e isso é muito bom 🙂

E como um bônus, tem mais uma reflexão que a gente precisa fazer sobre “empresas e sobrenomes”, que é como isso pode ser usado para o bem, para ajudar na inclusão de pessoas no mercado de trabalho, para abrir oportunidades para alguém. E isso pode ser tema pra um post futuro – mas isso daqui pode nos ajudar a começar a refletir.
Passa no meu Facebook ou no meu Instagram e participe desse papo!

Pedro Prochno
Pedro Prochno
Sou fã das Relações Públicas*! Graduado em RP e com um MBA pela FGV, sou Pai do “relações”, Mergulhador, DJ e mto curioso! Adoro viajar, conhecer novas culturas, pessoas e formas de se ver o mundo!
Acompanhe:
Nossas empresas não são os nossos sobrenomes

Comentários

13274