O Dilema das Redes: Análise do documentário da Netflix

Esmalte “Kiss me I’m Brazilian” causa revolta nas redes sociais
7 de setembro de 2020
Está difícil para todo mundo
22 de setembro de 2020

O Dilema das Redes: Análise do documentário da Netflix

Sei que parece ambíguo e até mesmo hipócrita postar um conteúdo nas redes sociais falando mal das redes sociais, mas queria trazer um olhar e uma análise diferente do que vi por aqui.

Colegas de profissão, sei que o documentário não traz nada de novo, mas acho que vale assistir para criar uma necessidade em debater sobre a alta produção de conteúdo, exposição digital e vício das redes sociais que estamos vivendo.

O Dilema das Redes é a nova produção da Netflix que reúne relatos de ex-executivos de companhias como Facebook, Google, Twitter e YouTube fazendo um alerta sobre as redes sociais, sugerindo que usuários deixem de alimentar as empresas com dados privados. 

Deixo aqui alguns itens que analisei depois de ter assistido o documentário. Se você chegou até aqui e ainda não assistiu, indico que assista antes de seguir, pois pode ter alguns spoilers:

 

/SENSAÇÃO BLACK MIRROR_

Parecendo um episódio da série.

Black Mirror, até quem é do mercado de comunicação se sentiu muito incomodado com o documentário.

A gente termina de assistir com uma sensação de que a tecnologia deu errado, e que sair das redes sociais  e morar nas cavernas são as melhores soluções pra gente não ser manipulado. Tá gente, calma! 

O documentário de 1h34min, bem parcial, apresenta somente no finalzinho, coisa de menos de 2 minutos, um único exemplo que as redes sociais também podem ser boas. Tendencioso, não?

 

/PROBLEMA VAI ALÉM DAS FERRAMENTAS_

Não é só o que usa, mas quem usa. O doc. nos mostra que as grandes empresas de tecnologia estão enchendo os bolsos de dinheiro pegando os nossos dados e nos manipulando, mas esse é o preço que pagamos por usar as redes sociais gratuitamente.

A gente vive em um mundo capitalista e quem tem dinheiro e poder são os que mais se beneficiam com as redes, como vimos os líderes políticos de alguns países. Eles são um dos protagonistas que mais financiam o problema.

 

/SAIR DAS REDES NÃO VAI SOLUCIONAR OS PROBLEMAS_

A gente AINDA está vivendo uma pandemia e não podemos negar que a tecnologia e as redes sociais foram ferramentas essenciais de educação e informação da população. 

Mas também vimos que as redes sociais além dos nossos dados, também nos cobram nossa saúde mental. Preço caro, né?

Sair das redes não é a melhor solução. A gente precisa começar a questionar o consumo de conteúdo e a transparência do uso dos nossos dados. (Comunicadores, entendam de LGPD, ok?) 

 

/CONTEÚDO SAUDÁVEL E CONTROLADO_

“Existem apenas duas indústrias que chamam seus clientes de usuários: a de drogas e a de software.”

Hey, colegas produtores de conteúdo, nós também colaboramos pra o vício das redes. Se somos parte do problema, nós também somos responsáveis pela solução: incentivem o consumo saudável e controlado dos seus conteúdos, criem conteúdos cada vez mais humanos e se conectem com as pessoas. 

Você também não precisa postar todo dia. Produção de conteúdo não é uma maratona infinita. Produção de conteúdo é sobre ajudar e se conectar com o outro. Qual o teu propósito? O meu é mostrar que comunicação e criatividade humanizadas são ferramentas de transformação e empoderamento das pessoas.

 

/NETFLIX TAMBÉM NOS VICIA_

Além de ser um documentário parcial, a história encenada no meio ser bem clichê e talvez até elitista, me incomodou o foco nos ex-funcionários, todos homens, e a pequena participação dos intelectuais (duas únicas mulheres do documentário) que falam sobre comportamento.

Mas uma das questões que me chamou a atenção, que o modo de operação das redes sociais, como Facebook e Google, são um padrão das empresas do Vale do Silício. 

Netflix também faz parte desse padrão, ou seja, a plataforma de streaming também nos mantém grudado na tela. Logo após terminar o documentário, já vieram indicações de outros documentários e séries. E também tem produções bem tendenciosas sobre outros assuntos, podendo manipular opinião do público.

 

/O QUE EU FAÇO PRA NÃO SER UM ZUMBI DIGITAL?_

Comece pelo básico: consuma bons conteúdos e controle o tempo do seu celular. Desligue os alertas e notificações das plataformas. Se for algo urgente, bem provável que alguém irá te ligar.

Compre um despertador! Não leve o celular para a cama. A gente acorda e vai dormir com o celular na mão e isso não é nada saudável.

Siga e também consuma conteúdos de pessoas que você não concorda tanto assim. As redes sociais nos dá a sensação que estamos sempre certos e consumir conteúdos diferentes faz com que seu algoritmo trabalhe de forma diferente e você fure a bolha!

Desligue ou deixe no silencioso e o aparelho virado quando você estiver fazendo algo que requer a sua atenção. Isso vale muito para os almoços e jantares com sua família ou amigos. 

VIVAM O OFFLINE. MESMO! E saiba que nem tudo precisa ser postado 🙂

O Dilema das Redes: Análise do documentário da Netflix

Comentários

13263