5 coisas que um RP poderia fazer pela vacina

Monja Coen pode ser embaixadora de uma marca de cerveja?
14 de agosto de 2021
Redes sociais: cinco tendências que irão impactar o nosso comportamento (e o das nossas marcas!) nos próximos meses
27 de agosto de 2021

5 coisas que um RP poderia fazer pela vacina

 

 

O Brasil aplicou sua primeira vacina contra a Covid-19 no dia 17 de janeiro de 2021, onze meses após o primeiro caso registrado no país. E, na prática, vamos combinar, foram mais alguns meses até que o ritmo da vacinação começasse a ser minimamente aceitável. 

As mais de 560 mil vidas perdidas nesta pandemia é uma consequência de uma sucessão de erros de como lidamos com tudo isso desde março de 2020.  Mas Alf, este texto agora? Justamente quando as coisas parecem estar “funcionando melhor”? Sim, agora. Porque aprender com nossos erros é crucial para que eles não sejam repetidos e para que também não normalizemos a anormalidade. 

Escrevo este texto em agosto de 2021, e nos últimos 30 dias o Brasil representou 10% das mortes por Covid do mundo todo. E somos 2,7% da população mundial. Ainda estamos muito longe de estar tudo bem. 

E o que poderia ter sido diferente? Foi nesse cenário que um amigo me perguntou “O que um RP poderia fazer pela vacina?”, e essa pergunta me instigou. Por isso, comecei a refletir e cheguei em 5 ações que iriam acelerar os resultados da imunização. 

Vem comigo! 

 

1. Colocar o Presidente do Brasil ao lado da saúde e dos médicos

Enquanto vários países estão priorizando a vacinação da sua população, no Brasil, a história ainda é um pouco diferente. 

Além de diversos problemas e escândalos sobre a compra e distribuição de vacinas, o Presidente da República atua ativamente na descredibilização de métodos básicos de proteção, como a máscara. E não teria como isso dar certo.

Sendo assim, a primeira coisa a se fazer seria treinar o Presidente  para falar com o público sobre a situação da pandemia e a importância da vacinação

Após garantir que o Presidente não iria atrapalhar a campanha de vacinação e prevenção, poderíamos seguir para a segunda fase. 

 

2. Visita do presidente aos hospitais

É indiscutível a importância que teria o Presidente da República se mostrando ao lado de profissionais da saúde. Com isso, esses profissionais que estão esgotados, física e psicologicamente,  poderiam se sentir mais acolhidos e valorizados pelo representante da nação. 

Nas visitas, tudo seria feito com todo o cuidado possível e com protocolos de segurança sendo seguidos à risca, é claro. Após o término das visitas, ele faria uma coletiva de imprensa para deixar explícito para a população a sua gratidão à estes profissionais. Aqui, o Presidente poderia reforçar a importância da utilização de máscara e da vacinação. 

 

3. Declarações oficiais enaltecendo instituições brasileiras

Bom, agora que o Presidente da República já teria se posicionado totalmente ao lado da saúde, chegaria a hora de estar ao lado da ciência também. 

A Fiocruz, que é uma instituição extremamente importante e trabalha há décadas para a saúde de todos nós, ou o Instituto Butantan, que buscou a vacina da Covid-19 desde o início. 

Além disso, cairia muito bem enaltecer o trabalho dos cientistas em si, reconhecendo a importância do trabalho duro que eles têm feito para encontrar soluções para a pandemia. 

A partir disso, o próximo passo seria levar as informações levantadas por essas fontes científicas para o público da forma mais acessível possível. 

 

4. Ter um plano de atualizações e informações públicas

Atualmente, temos o Portal do Coronavírus Brasil. Aqui, existem diversas informações relevantes e verificadas, mas que não são creditadas pelo próprio Presidente da República. 

Sendo assim, apesar de ser uma fonte oficial a nível nacional, a importância desses dados sempre é colocada em cheque.  

Então, precisamos colocar o líder como defensor de informações verificadas. E precisamos logo.  Em uma dinâmica organizada e sistematizada que faça o Ministério da Saúde ser porta-voz de todas as informações de combate à pandemia, falando em uma linguagem acessível a toda população.

 

5. Fazer uma campanha de conscientização sobre a vacina

A melhor forma de se comunicar, é falando a língua da pessoa que irá te ouvir. 

Sendo assim, seria incrível se houvesse campanhas nacionais encorajando e educando sobre medidas preventivas, acompanhando os discursos responsáveis do Presidente. 

Aqui, consigo pensar em três ideias para isso. 

  • Utilizar influencers que estão ao lado do Presidente para informar sobre a importância da vacinação;
  • Se ele tiver a fim de puxar para os EUA, que declare quer seguir o exemplo dos norte-americanos, que são o 3˚ lugar em número de doses por cada 100 habitantes;
  • Que o Presidente guie pelo exemplo, usando máscara adequadamente e tendo sido uma das primeiras pessoas que se vacinou, por exemplo.

Mas, infelizmente, isso não é nada parecido com o que estamos vendo até aqui.

 

A melhor comunicação sobre a vacina do Covid-19

Já que o líder da nação não pretende fazer favores para incentivar o fim da pandemia, a gente precisa valorizar as ações que vêm de outros meios. 

Nesse sentido, ainda em janeiro de 2021 eu vi a melhor ação de Relações Públicas sobre a vacina que havia acontecido até então. 

Em uma sacada genial, o MC Fioti faz um remix da sua música Bum Bum Tam Tam para exaltar a produção de vacinas do Instituto Butantan. 

 

 

Dessa forma, ele atingiu dois públicos de uma vez só. 

Primeiro, a população geral brasileira, que conhecia a música e se identificava com o seu som. Em segundo, e tão importante quanto, são os próprios profissionais do Instituto que participaram do clipe, e tiveram um momento extrovertido em meio a tanta pressão. 

Obrigado, MC Fioti! 

 

Mas isso não é o suficiente. 

As ações parecem eficientes, certo? Pois é. 

O problema é que, para que isso funcione, o primeiro passo seria ter um Presidente disposto a realizar todas essas ações em prol da saúde da população do país que ele lidera. 

Sem isso, não tem nada que a gente possa fazer

Por fim, é sempre bom reforçar: a vacina não é algo novo, e vem nos ajudando a superar doenças incuráveis desde o século XVIII. Ela é importante e salva vidas. Se você ainda não se vacinou e pode, vacine-se! 

 

Guilherme Alf
Guilherme Alf
Guilherme Alf é formado pela PUCRS em Relações Públicas, com MBA em Gestão, Empreendedorismo e Marketing, é Líder e sócio da ALF NEGÓCIOS CRIATIVOS e traça todas as estratégias digitais de diversos artistas como Atitude 67 e no futebol Geromel e o pentacampeão Denilson. Desde 2016 comanda a operação do China Brasil Futebol. Em 2012 criou o coletivo “Todo Mundo Precisa de um RP” que desenvolve conteúdos e organiza a maior semana de Relações Públicas no Brasil, a RP WEEK.
Acompanhe:
5 coisas que um RP poderia fazer pela vacina

Comentários

13448