Marca pessoal: sua reputação é o seu maior ativo

As 3 dicas de carreira mais importantes da minha vida
1 de setembro de 2021
Como construir confiança – segundo Frances Frei
6 de outubro de 2021

Marca pessoal: sua reputação é o seu maior ativo

Recentemente, uma pesquisa divulgada pelo World Economic Forum me chamou muito a atenção: em 2025, existirão mais profissionais liberais do que funcionários fixos no mundo.

Este dado me marcou pois mostra que a forma com que trabalhamos está mudando. E que, cada vez mais, passaremos a ser contratados pelos resultados desse nosso trabalho e pela proposta de valor e potencial que agregamos para as empresas, projetos e pessoas. Nossa reputação – a construção de uma imagem de confiança, credibilidade, integridade e geração de resultados – se torna, então, um dos nossos maiores ativos.

A sua contratação, num futuro próximo, dependerá dessa equação: reputação + proposta de valor + resultados.

E será que somente a sorte diferencia os profissionais brilhantes dos que estão na média?Será que ter visibilidade, construir uma boa reputação e ter autoridade na sua área é fruto do acaso?Precisamos ter consciência de que somos marcas – ao olharmos a nossa carreira como um negócio que tem objetivos, metas e clareza de onde quer chegar, começamos a assumir nosso protagonismo profissional.

Como está a sua marca pessoal hoje? Você é reconhecido como especialista em algo ou que agrega muito valor em determinada área? Você é reconhecido da forma como quer ser visto?

Mas o que é marca pessoal?

É a organização do seu posicionamento, que integra três elementos:

  1. A sua identidade, ou seja, como você se projeta para o mundo;
  2. A sua imagem, ou seja, como o mundo te enxerga;
  3. A sua reputação, que é a percepção das pessoas ao longo do tempo em relação à sua imagem.

Essa construção pode – e deve! – ser trabalhada em alinhamento com os seus objetivos: trocar de emprego, empreender, escalar seu negócio, ser promovido, tornar-se referência em alguma área etc.

O melhor começo: o autoconhecimento

Sim, eu sei que, agora, você ficou com preguiça de continuar essa leitura, porque não aguenta mais a palavra “autoconhecimento”. E eu concordo: infelizmente, ela virou um daqueles chavões que a gente pega bode, né? Mas vamos trocá-la então por clareza: precisamos ter clareza de quem a gente é e de onde queremos chegar. Isso é importante (1) para agirmos na direção correta e (2) para aguentarmos os desafios e não desistirmos.

A clareza é seu melhor ponto de partida. Quais são seus dons e talentos? Como você pode colocá-los à disposição das outras pessoas, agregando valor para a vida delas? O foco aqui é descobrir e lapidar a sua essência.

Esqueça o propósito

 Está aí outro chavão dos nossos tempos, essa busca enlouquecida por um propósito. Nesse ponto, tenho uma simples sugestão: esqueça o propósito e pensa em como ser útil. A quem você pode ajudar? Quando nos colocamos a serviço das pessoas é que descobrimos nossa real vocação.

 Autenticidade como diferencial

Em um mundo com tanta gente fazendo a mesma coisa, como me diferenciar? Sua identidade – a forma como você se projeta para o mundo – integra seu talento ou sua paixão, sua proposta de valor, seus objetivos de carreira, sua personalidade e crenças.E é aqui que mora a sua autenticidade.

Marcas fortes nascem de pessoas reais, daquelas que se arriscam, se colocam vulneráveis na arena em busca de um objetivo.

Lembre-se que é uma maratona, não uma corrida

O trabalho de posicionamento de marca pessoal e construção de reputação não é uma corrida de 100 metros, mas uma maratona: exige muito treino, planejamento, dedicação e tempo. É fazer todo dia um pouquinho e saber que os resultados virão com a persistência.

Estabeleça um foco

Você quer ser reconhecido pelo quê? As pessoas estão captando isso que você quer transmitir?

Precisamos pensar em com quem queremos falar e em como faremos isso para, assim, eleger os temas que iremos priorizar na nossa comunicação de uma forma geral.

Trabalhe os 3C’s

O processo de marca pessoal está, de forma bem resumida, centrado em 3 pilares, conhecidos como os 3C’s:

  1. Clareza: com quem eu quero falar e em qual plataforma? Sobre o quê? De que forma? Que aspectos da minha imagem, trajetória e essência eu quero reforçar?

 

  1. Consistência:toda essa sua construção precisa ser coerente com a forma como você quer ser reconhecido;

 

  1. Constância: as pessoas precisam saber o que você está fazendo, estudando ou no que está trabalhando. Precisamos ter constância na comunicação, tanto no off-line como no on-line. Mostre o seu rosto em eventos e treinamentos, participe de grupos para expor a sua marca e criar conexões, compartilhe conhecimento nas mídias sociais etc. Faça um exercício de modelagem: olhe para quem você admira e se inspire para criar seu próprio caminho! O que você pode adaptar para o seu posicionamento?

Sua reputação te acompanhará para sempre! Mesmo se você fizer uma transição de carreira, mesmo que mude de país, mesmo que comece do zero. Por isso, coloque seus dons a serviço das pessoas! Essa é a minha recomendação para quem quer construir uma marca pessoal forte. Gere valor para as pessoas e seja lembrado por isso!

 

 

 

Daniela Trolesi
Daniela Trolesi
Relações Públicas, com pós-graduação em Marketing e MBA em Gestão de Negócios pela USP. Com mais de 20 anos de experiência nas áreas de Comunicação e Branding, sou sócia-fundadora da Fortius Comunicação e Reputação e ajudo executivos, empreendedores e profissionais liberais que querem alavancar suas marcas pessoais, carreiras ou negócios a construírem um posicionamento de marca estratégico, consistente e coerente para que gerem valor para as pessoas, se destaquem e sejam reconhecidos em suas áreas de atuação.
Acompanhe:
Marca pessoal: sua reputação é o seu maior ativo

Comentários

13504