Relações Públicas e o mercado de trabalho: resultados da pesquisa

É verdade, duas cabeças pensam melhor que uma!
6 de agosto de 2014
Aberje promove Brazilian Corporate Communications Day em Detroit/USA
12 de agosto de 2014

Relações Públicas e o mercado de trabalho: resultados da pesquisa

Este post foi escrito por Samyr Paz. Participe você também do #Blogrelacoes, veja como aqui!

No momento em que pipocam diversas pesquisas sobre o mercado de trabalho dos relações públicas, apresentamos aqui em primeira mão os resultados de um pesquisa independente, realizada pelo RP Samyr Paz, que coletou dados entre 12 de maio e 30 de junho deste ano. Esta pesquisa objetiva abordar temas quanto a colocação no mercado dos profissionais de relações públicas, remuneração, atividades e opiniões acerca do desenvolvimento do mercado. Com estes dados é possível analisar próximos passos para a classe profissional, como: o que é possível fazer para melhorar o mercado? Quais as forças e fraquezas dos relações públicas do Brasil? O que esperar do futuro?

Para isso foram conduzidas pesquisas online com questões estruturadas e abertas. Foram coletadas 420 respostas de profissionais e estudantes de relações públicas de todas as regiões do Brasil. A pesquisa foi amplamente divulgada por canais de comunicação voltadas para área: Blog Relações (maior parceiro desta empreitada), Todo Mundo Precisa de um RP, Relações Públicas Brasil, Relações Públicas da Depressão, Conrerp/4º, Conferp, Só Relações Públicas Faz e outros, além de divulgação nos grupos de relações públicas espalhados pelo Facebook.

A pesquisa será apresentada em quatro partes, sendo esta a primeira relativa aos dados quantitativos. Na três próximas partes aprofundaremos algumas questões, analisando respostas dos participantes quanto a seguinte questão: “Você acha que o mercado profissional de relações públicas vai bem ou mal? Por quê?”

  • Parte 2: Como vai você?
  • Parte 3: Mitos e verdades
  • Parte 4: Cabo de guerra

No infográfico abaixo você pode conferir os dados quantitativos coletados referentes aos seguintes questionamentos da pesquisa: idade, sexo, renda, modalidade profissional, tempo de carreira, configuração da empresa em que trabalha, atividades, registro profissional e mudança de carreira.

Acerca dos dados do infográfico é possível ponderar sobre alguns quesitos. O primeiro deles é: amostra de respondente jovem. 45% dos respondentes têm entre 18 e 23 anos, e outros 34% têm entre 24 e 29 anos. Além disso, 77% têm até 5 anos de carreira profissional. A carteira assinada domina a modalidade profissional (46%), enquanto o empreendedorismo está em baixa (8% apenas). As mulheres são a esmagadora maioria (78%), assim como a atuação em empresas privadas (72%).

Em seguida, alguns dados intrigantes: 35% dos respondentes são remunerados com 1 a 2 salários mínimos e 25% com 3 a 4 salários mínimos. Pode ser que em função disso 42% já pensaram ou pensam em mudar de carreira. Mas, não sejamos drásticos em relação a isso, afinal 58% nunca consideraram a mudança de carreira. No que diz respeito as atividades profissionais, nada inesperado: atividades ligadas a eventos na liderança (11%), enquanto outras atividades aparecem logo em seguida: planejamento (10%) e redes sociais (10%).

Outro dado importante: 80% dos respondentes não são registrados no Conselho Regional de Relações Públicas (CONRERP). Cabe a ressalva que se obteve muitas respostas de estudantes na pesquisa, porém 80% continua sendo um dado importante. Na análise das respostas abertas a pesquisa vai entrar em mais detalhes sobre a relação entre profissionais e o Conselho.

É importante ponderar que a pesquisa, conduzida no ambiente online, pode ter atingido uma amostra maior de jovens. Por mais que seja difícil imaginar um relações públicas, independente da idade, que não acesse a web, é importante levar este ponto em consideração. Se cruzarmos os dados de idade com o de salário é possível entender que muitos dos respondentes ainda estão concluindo a graduação ou em início de carreira. Por isso é importante ter CALMA, dedicação e comprometimento. O salário, ao longo dos anos, pode e deve subir para todos ao avançarem na carreira. Logo, a desvalorização neste caso pode ser apenas passageira.

Na próxima semana apresentaremos a segunda parte da pesquisa, intitulada: “Como vai você?”

Enquanto isso, amplie a discussão nos comentários. O que você achou dos dados? Concorda? Discorda? Deixe sua opinião.

[divider_flat]

Samyr Paz é Relações Públicas formado pelo Centro Universitário Univates. Apaixonado por tecnologia, comunicação e por qualquer assunto que envolva relações públicas. Escreve sobre o tema em medium.com/@samyr.

[divider_flat]

 

Clique para ampliar

Convidados RP
Convidados RP
Convidado Relações Públicas. Este post foi escrito por um convidado do #Blogrelacoes e as informações e opiniões aqui contidas não necessariamente condizem com as dos autores do Blog. Para saber mais sobre o autor do texto consulte o final do post.
Acompanhe:
Relações Públicas e o mercado de trabalho: resultados da pesquisa

Comentários

8257