Intraempreendedorismo: seja o ponto fora da curva!

comunicação comunitária e mobilização social
Comunicação comunitária: uma ferramenta para a mobilização social
23 de novembro de 2017
Piquenique Azul: o Relações Públicas como protagonista de um projeto social
Piquenique Azul: o Relações Públicas como protagonista de um projeto social
30 de novembro de 2017

Intraempreendedorismo: seja o ponto fora da curva!

Intraempreendedorismo: seja o ponto fora da curva

Sim, vou falar sobre empreendedorismo de novo, mas desta vez com um enfoque diferente: intraempreendedorismo. Você já ouvir falar sobre este tema? Quando escrevi sobre empreendedorismo em relações públicas, apresentei dois cases de sucesso e espero ter dado um empurrãozinho aos que sonham em empreender mas se sentem inseguros. Porém, enquanto escrevia este artigo, também surgiu a ideia de falar sobre intraempreendedorismo porque acredito que funcionários com essa mentalidade tendem a alçar voos altos nas empresas e serem mais realizados profissionalmente.

Antes de mais nada, intraempreendedorismo significa empreender dentro da empresa. Qualquer funcionário pode propor e executar ideias inovadoras para o desenvolvimento de novos produtos, serviços, tecnologias, técnicas administrativas, estratégias e/ou posturas competitivas, no entanto o benefício não será para o próprio negócio e sim para a empresa o qual trabalha. Atente para as palavras: propor e executar, ou seja, não adianta ter mil de ideias se nenhuma é factível na sua empresa.

 

Intraempreededorismo: prepare-se para ser o ponto fora da curva

Você pode ter lido o parágrafo acima e estar pensando “nossa, então eu sou um intraempreendedor!”, mas pergunto: será que você desempenha MESMO esse papel no seu trabalho?

Muitas empresas (não todas – talvez a que você trabalhe não seja uma destas) buscam cada vez mais profissionais que entreguem soluções inusitadas para seus problemas e se encaixem em um perfil proativo e inovador. Naturalmente, essas pessoas se destacam e conquistam a gestão/liderança e é por isso que se tornam um ponto fora da curva.

Vamos a algumas reflexões aleatórias para saber se você é um intraempreendedor:

  1. Aquela sua planilha de excel já foi modificada alguma vez ou é a mesma desde quando você entrou na empresa?
  2. Você já se questionou sobre a forma ou utilidade dos instrumentos que utiliza em seu trabalho?
  3. As atividades que você faz poderiam ser executadas em menos tempo ou gerar resultados melhores?

E por fim e para mim a mais importante: você está disposto a ser o ponto fora curva da sua empresa, vulgo “vestir a camiseta”?

Se a sua resposta for não, fique tranquilo, pois não é um indicador de falta de competência ou produtividade. Apenas indica que você não tem perfil intraempreendedor e se você está feliz assim, está tudo certo 🙂

Se a sua resposta for sim, continue lendo esse texto porque acredito que ajudará você a trilhar uma carreira de intraempreendedor bem-sucedido 😀

 

Seja um cooperador de ideias ao invés de um crítico entusiasta!

Geralmente, empreendedores e intraempreendedores são pessoas cheias de ideias e ansiosas para colocá-las em prática o mais rápido possível. Porém, é muito importante ser estratégico ao apresentar, fundamentar, defender e argumentar suas ideias para que você seja identificado como um cooperador de ideias ao invés de um crítico entusiasta (também conhecido como “chatão”,”Peter Pan”, “fora da casinha” – no sentido pejorativo). Ou seja, cuidado para não se tornar aquela pessoa que acredita que tudo poderia ser melhor e diferente, mas que não aponta nenhuma solução para os problemas ou que não está disposta a fazer parte dessa mudança.

Se você deseja ser um cooperador de ideais na sua empresa, leve em consideração os seguintes passos:

  • Analisar os cenários macro e microambiente: para identificar os impactos e as limitações que a sua empresa possui em relação à sua própria estrutura (normas, código de ética, políticas…) e ainda aos fatores que não há forma de intervenção (leis, condições climáticas, economia, política…) para não propor ideias à gestão que fatalmente serão reprovadas;
  • Fazer um swot/fofa (forças, fraquezas, oportunidades e ameaças): para mapear o quanto a sua ideia pode dar certo ou não, além de lhe garantir embasamento para argumentar caso a gestão queira mais informações antes de investir/aprovar o desenvolvimento das suas ideias;
  • Fazer um teste/protótipo: para você conhecer as dificuldades ou facilidades do processo ou produto. Por exemplo: você identificou que o checklist de eventos atuais na sua empresa é incompleto e tem muitas informações repetidas. Você acredita que um novo modelo de documento poderia ser enviado a todos os setores da empresa, mas antes de sugerir para a gestão, você cria uma nova planilha e começa a testar no seu dia a dia para avaliar as melhorias e/ou os gaps (falhas);
  • Trabalhar em equipe e cocriar com os colegas: como diz o ditado popular “sozinho vamos mais rápido, mas juntos vamos mais longe”. Se você é um cooperador não deveria se importar com o mérito das ideias, pois esse destaque acontecerá naturalmente. Tenha humildade para reconhecer que seus colegas tem algo a contribuir e agregue valor a eles junto a suas ideias/projetos. Você perceberá resultados muito melhores e ainda poderá inspirar outras pessoas a inovar em suas atividades;
  • Estar preparado para as frustrações e se manter motivado: certamente, nem tudo que você propor será aprovado. Talvez, alguns colegas tentem desmotivar você e prefiram “deixar as coisas como sempre foram” ou seus gestores sejam mais conservadores, o que dificultará seu desempenho. Porém, mantenha-se motivado em seu propósito, encare as negativas como novas oportunidades e reavalie suas ideias (às vezes, elas de fato não são boas, mas com o tempo e experiência, podem amadurecer e se tornar valiosas).

 

A sua empresa precisa acreditar e investir no intraempreendedorismo

Inevitavelmente, o ambiente intraempreendedor nasce e se desenvolve em virtude da cultura das organizações. Ainda que o mundo corporativo esteja em transformação, na maioria dos casos a estrutura de poder permanece hierárquica, sufocando a liberdade e criatividade dos funcionários, o que diminui sua capacidade e motivação para inovar.

Empresas mais ousadas e com estruturas hierárquicas flexíveis, possuem maior capacidade criativa, o que tem sido decisivo para o seu desenvolvimento. Nesses ambientes, profissionais com perfil intraempreendedor são considerados um dos mais importantes recursos para que a organização mantenha alta competitividade.

Se você sente que está pronto para intraempreender, arrisque-se, planeje e comece agora mesmo. Tenha empatia para entender qual o perfil da empresa que você trabalha e o porquê dela ter se estruturado dessa forma, e então,  vá ser o ponto fora da curva que você deseja e faça a diferença no seu cotidiano profissional!

 

Você também vai gostar de ler:

 

Intraempreendedorismo: seja o ponto fora da curva!

Comentários

12473