Comunicação: Receita ou despesa?

Bienal de SP – Gil Vicente: excesso ou liberdade de expressão?
24 de setembro de 2010
Maratona de shows no fim de ano!
1 de outubro de 2010

Comunicação: Receita ou despesa?

Este deve ser o maior dilema do mundo da comunicação!

Que atire a primeira pedra o comunicólogo que nunca se deparou com um gestor ou organização que pensa que comunicação é despesa e que, por isto, deve ficar em segundo plano!

Não é de hoje que esta história ronda o nosso mundinho. Existem sim muitas pessoas em cargos com poder de decisão que veem a comunicação como despesa, como um custo necessário, mas que não traz retorno algum para a organização. Por outro lado, existem também aqueles que acreditam que a comunicação auxilia na obtenção de resultados concretos, financeiros, além dos “intangíveis”.

Acredito que nós, comunicadores, temos uma bela parcela de culpa por ainda existirem pessoas que pensam que comunicação é custo. Você, ao elaborar um planejamento de comunicação ou ação específica, pensa em conseguir maximizar e facilitar as vendas de sua organização?

Sabemos que a comunicação bem feita e estruturada tem este poder. A Bruna Maturana deu um ótimo exemplo, em seu último post, sobre um público estratégico, que a comunicação deveria se atentar mais, por ter impacto direto nas vendas de uma empresa: os vendedores. Ações simples de capacitação e preparação destes para lidar com o público (assim como preparamos executivos para lidar com a imprensa), tem poder de influenciar diretamente as vendas e, consequentemente, gerar receita.

Infelizmente em nossa sociedade “lucro” acabou virando sinônimo de pecado! Poxa, vivemos em uma sociedade capitalista, e não há mal algum em ganhar dinheiro, desde que seja com ética e de forma sustentável! Tenho a impressão de que a comunicação de muitas organizações foca mais o ganho de imagem (que reflete diretamente no valor de mercado das empresas), do que na efetivação de vendas. Por outro lado, quando atenção é dada a venda, a sede é TANTA que acabamos vendo completos DESASTRES da comunicação, com peças ruins e feias.

Mudar esta visão de alguns gestores, principalmente os de empresas familiares, leva tempo e dedicação. É, porém, nosso dever trabalhar para que isto aconteça. Profissional de Relações Públicas que tem o negócio da empresa em mente ao estruturar seus planos de comunicação, com certeza se destaca e terá cada vez mais sucesso no mercado!

Pedro Prochno
Pedro Prochno
Sou fã das Relações Públicas*! Graduado em RP e com um MBA pela FGV, sou empreendedor na área e gerente de comunicação de uma start-up norte americana. Sou Pai do “relações”, Mergulhador, D, versátil e MTO curioso! Adoro viajar, conhecer novas culturas, pessoas e formas de se ver o mundo!
Acompanhe:
Comunicação: Receita ou despesa?

Comentários

583