Série com agências: Kiki Moretti fala sobre o diferencial do RP

De Norte a Sul: como a academia tem enfrentado a pandemia?
4 de junho de 2020
O live marketing diante da grande transformação do século XXI
22 de junho de 2020

Série com agências: Kiki Moretti fala sobre o diferencial do RP

O profissional de RP nunca foi tão imprescindível, isso porque tem três características essenciais para o momento: é flexível, tem conteúdo e sabe ler a sociedade.”

Foi assim que Kiki Moretti, fundadora e CEO do Grupo In Press, sintetizou a importância das relações públicas neste cenário de mudanças e incertezas que estamos vivenciando com a pandemia. 

Em entrevista para o Blog RP, a primeira de uma série com gestores das maiores agências do País, Kiki falou sobre o processo de transição vivenciado em março e assuntos como reputação, legado, crises, comunicação interna, cultura, tecnologia, conteúdo e sociedade.

Confira como foi o bate-papo!

 

A virada para o home office

O Grupo In Press, holding de agências de relações públicas e serviços especializados, entrou 100% em trabalho já no início da quarentena, em março.

A transição tranquila no modelo de trabalho, conforme relata Kiki, se deu em especial pela recente experiência de mudança de sede, em que  a equipe já havia experienciado ficar uma semana inteira fora do escritório, tempo necessário para efetivar a mudança. 

Para Kiki, as pessoas se adaptam a tudo. Aliás, não faz muito tempo que a área de comunicação precisou se transformar rapidamente. Em 2007, muitas e significativas mudanças tecnológicas ocorreram: Iphone, Android e Gmail, por exemplo, foram divulgadas ao público nesse ano. 

Com isso, o padrão vigente de alcançar o consumidor somente por intermédio da imprensa ficou obsoleto e a comunicação de mão-dupla, com diálogo direto entre marcas e seus públicos, passou a ser o novo padrão. 

Em uma entrevista para a Luana Leão, aqui no Blog RP em 2017, Kiki falou exatamente sobre esse assunto. Para ler, é só clicar aqui.

Após o período de distanciamento social, na volta aos escritórios, a expectativa de Kiki é de que seremos, no geral, mais flexíveis e menos caretas. Para ela, a própria relação de confiança atinge outro patamar quando se percebe que “não precisa estar ali com a pessoa para saber que ela está trabalhando”. Esse é um dos legados que a dinâmica de home office deve proporcionar às empresas.

Para além da discussão sobre o retorno aos escritórios físicos, um assunto fundamental para abordarmos 

 

Falando em legado 

Kiki menciona a valorização que o trabalho de comunicação tem recebido neste momento e relata que as relações públicas foram alçadas a uma posição mais estratégica nas organizações. 

O que as marcas vão deixar de legado durante e após a pandemia serão preponderantes para os seus futuros, tanto pela percepção do mercado quanto de seus consumidores, funcionários, enfim, todos os seus públicos. 

É uma discussão urgente e genuinamente RP. A reputação da empresa é mais importante do que o que ela produz ou vende, todas precisam e devem se perguntar hoje como querem ser lembradas logo ali adiante, afirma Kiki. 

 

As áreas mais requisitadas

A relação entre o atual papel das relações públicas e as transformações do mundo corporativo e de toda sociedade são complexas, profundas e impactam diversas áreas da profissão e da comunicação como um todo. 

Mas três dessas áreas são destacadas por Kiki:

  • Gestão de crises;
  • Comunicação interna;
  • Cultura organizacional.

Tantas turbulências inesperadas em um espaço de tempo tão curto evidenciaram a importância de se valorizar a criação de planos para gestão de crises. 

A transição de operações físicas para o trabalho remoto criaram uma série de gargalos na comunicação interna, como dificuldades de interação entre equipes e usos de ferramentas. 

E, na cultura organizacional, um desafio e tanto: migrar o clima e as vivências físicas para o digital é muito mais difícil do que migrar a operação, em boa parte das vezes. 

 

O diferencial do RP

A personalidade flexível e adaptável, tão comum em profissionais de RP, é um diferencial importante para lidar com o atual momento. Mas Kiki vai além e destaca a capacidade desses profissionais em ter conteúdo de qualidade e saber ler cenários. Para ela, “tem que cada vez mais entender o que as pessoas querem, aguçar a sensibilidade.”

A tecnologia evidentemente desempenha um papel fundamental na conexão entre conteúdos, informações e pessoas. Porém, “o que faz a diferença é o quanto você consegue se conectar com as pessoas e se adaptar rapidamente às mudanças”, completa.

Todos esses diferenciais, somados à capacidade de entender o que está acontecendo e saber como apresentar o contexto aos executivos, colocam o relações-públicas em uma posição privilegiada. Para fechar, Kiki acredita que tudo isso faça com que você, RP, seja o profissional que todo mundo precisa.

 

Leia também:

De Norte a Sul, como a academia tem enfrentado a pandemia?

Covid-19 traz desafios aos profissionais de RP

De RP para RP, o papel da profissão em tempos de Covid-19

Série com agências: Kiki Moretti fala sobre o diferencial do RP

Comentários

13180